Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Rodada de clássicos acirra rivalidade entre torcidas por todo o País

Caso mais grave ocorreu em Presidente Prudente: palmeirense foi baleado e corre risco de morte

Giuliander Carpes, estadão.com.br

29 de agosto de 2011 | 16h58

SÃO PAULO - A última rodada do primeiro turno do Campeonato Brasileiro era para ser apenas de festa. Clássicos estaduais e regionais movimentaram a competição no Sul e no Sudeste. Mas a alegria foi manchada pela violência. Foram registradas brigas entre torcidas rivais em praticamente todos os confrontos.

O episódio mais grave ocorreu em Presidente Prudente. Num confronto com a polícia militar, dois torcedores do Palmeiras, integrantes da Mancha Verde, ficaram feridos. O Palmeiras jogou com o Corinthias e ganhou por 2 a 1. O estado de um deles, Roberto Vieira de Castro Filho, 22 anos, é gravíssimo. O jovem foi baleado no glúteo direito, suspeita-se que por um policial. A bala atravessou seu quadril e comprometeu vários órgãos. Ele passou por cirurgia, está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional e ainda corre risco de morte.

A briga aconteceu antes de o governador Geraldo Alckmin sancionar lei – já aprovada pela Assembleia Legislativa – que permite novamente a utilização de bandeiras com mastro nos estádios paulistas. A ocorrência pode influenciar na decisão de Alckmin. A polícia militar pede para que o governador não aprove o projeto.

A barbárie também tomou conta do clássico entre Atlético-MG e Cruzeiro. Nem a iniciativa de se permitir apenas torcedores da equipe alvinegra na Arena do Jacaré impediu os enfrentamnentos. Integrantes de duas organizadas atleticanas se engalfinharam antes da partida. Galoucura e Esquadrão Atleticano brigaram por mais espaço nas arquibancadas do estádio. Até mulheres das facções entraram na confusão.

O promotor mineiro Franciso Santiago defende a extinção das torcidas organizadas e diz que os torcedores da Galoucura serão denunciados e que ele pedirá a prisão dos envolvidos. “É impressionante que mais uma vez essa facção se envolva em brigas violentas. São os mesmos elementos que mataram um jovem no final de 2010”, disse.

NO SUL

Antes de Atlético-PR e Coritiba, mais brigas. O mesmo foi verificado em Florianópolis no clássico entre Figueirense e Avaí. Em Porto Alegre, 15 pessoas foram detidas após uma confusão entre as torcidas organizadas Geral do Grêmio e Máfia Tricolor após a vitória diante do Internacional. Dentro do Estádio Olímpico também foram registrados tumultos envolvendo as facções, que precisaram da intervenção da polícia militar. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.