Leo Correa/AP
Leo Correa/AP

Rodinei pede calma ao torcedor do Flamengo: 'As vitórias vão chegar'

Time carioca lidera seu grupo na Libertadores, mas ainda não venceu em casa pelo torneio sul-americano

O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2018 | 16h50

O Flamengo passa por um momento ruim na temporada. Não chegou à final do Campeonato Carioca, empatou na estreia do Brasileiro e, apesar de liderar seu grupo na Copa Libertadores, ainda não venceu em casa na competição sul-americana. Para o lateral Rodinei, o time vai encontrar o seu melhor futebol e as vitórias virão, mas o jogador enfatizou que é preciso ter calma.

+ Julio Cesar descarta renovar com o Flamengo

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

O lateral não julga os torcedores, que vêm criticando a equipe especialmente após o empate em 1 a 1 com o Independiente Santa Fe, da Colômbia, na última quarta-feira, no Maracanã, mas elogiou o técnico interino Maurício Barbieri e garantiu que o time está no caminho para começar a emplacar uma sequência de triunfos.

"Não posso julgar o torcedor. Ele está lá e paga ingresso. Se o time não está bem, vão vaiar", disse o jogador em entrevista coletiva. "Temos que dar a volta por cima. O Mauricio é um grande profissional, fala a linguagem do jogador, apesar de ser novo. Tenho aprendido muito com ele. O esquema é para ter calma, posse de bola. As vitórias vão chegar", prometeu o lateral.

Na próxima rodada do Brasileirão, o adversário será o América-MG, neste sábado, às 19 horas, no Maracanã. Além da busca pela primeira vitória na competição, o Fla tem uma motivação extra para o duelo: o jogo será a despedida dos gramados do goleiro Julio Cesar.

"É despedida do Julião, uma grande referência, mas, independentemente disso, temos que entrar em campo em busca dos três pontos. Já fomos buscar lá em Salvador e fomos prejudicados. Nada melhor do que fazer uma bela apresentação para coroar a despedida do Júlio com vitórias", afirmou o lateral.

Na Copa do Brasil, o sorteio que definiu os confrontos das oitavas de final colocou a Ponte Preta no caminho do clube carioca. O time de Campinas, que chegou a esta fase após eliminar o Náutico, foi uma das equipes em que Rodinei passou em sua carreira. "Vivi dois anos e meio na Ponte, foi o time que me projetou e sei que vai ser difícil. Eles são muito fortes no Moisés Lucarelli. Vamos em busca da classificação", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.