Alexandre Vidal/Flamengo
Alexandre Vidal/Flamengo

Rodrigo Caio se diz seguro, mas evita opinar sobre volta: 'Foge da alçada'

Time da Gávea liderou a pressão para a volta do torneio estadual, tendo, inclusive, retomado os treinos antes mesmo de ter o aval das autoridades

Redação, Estadão Conteúdo

18 de junho de 2020 | 10h01

O Flamengo será o protagonista da retomada do futebol no Rio. Na véspera da partida da equipe contra o Bangu, nesta quinta-feira, no Maracanã, o zagueiro Rodrigo Caio concedeu entrevista e evitou comentar diretamente a decisão da volta do Campeonato Carioca, mas garantiu se sentir seguro para voltar a jogar em função do protocolo adotado pelo clube.

O time da Gávea liderou a pressão para a volta do torneio estadual, tendo, inclusive, retomado os treinos antes mesmo de ter o aval das autoridades. "Não cabe a nós falar sobre marcar os jogos ou não, isso foge do nosso controle. Foge da nossa alçada a decisão", afirmou, apontando apenas seguir a decisão das entidades.

Rodrigo Caio assegurou que todos no Flamengo estão sentidos pelas mortes provocadas pelo coronavírus, apontando que o próprio clube perdeu o massagista Jorginho. E revelou que passará por dois testes antes de entrar em campo nesta quinta-feira, no Maracanã, que tem, em seu complexo, um hospital de campanha.

"Respeitamos ao máximo a dor de todos, perdemos uma pessoa muito querida no Ninho (Jorginho), sentimos muito por isso", afirmou. "Amanhã faremos dois testes para termos a confiança de entrar em campo e fazer o melhor", acrescentou.

A postura do Flamengo é oposta ao comportamento dos rivais Fluminense e Botafogo, que defendiam a volta do futebol no Rio apenas em julho. Rodrigo Caio evitou criticar o posicionamento dos rivais, mas apontou que a estrutura e protocolo da sua equipe lhe deixam confortável para jogar em meio à pandemia do coronavírus. Além disso, afirmou esperar que esses times também voltem a atuar em condições seguras para seus atletas.

"Acho que é uma questão pessoal. Somos privilegiados pela estrutura do Flamengo. Cabe a cada clube procurar defender seus atletas e sua instituição, fazendo com que o ambiente seja o mais confortável e seguro possível. Nós, do Flamengo, temos total segurança. Tudo que o Flamengo fez pelos jogadores nos dá total tranquilidade. Esperamos que aconteça da mesma forma para Botafogo e Fluminense", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.