Paulo Pinto/São Paulo
Paulo Pinto/São Paulo

Rodrigo Nestor exalta entrega do São Paulo e diz que não é fácil jogar o Campeonato Paulista

Meia formado em Cotia foi um dos principais destaques para a vitória tricolor no Morumbi sobre o Corinthians, neste sábado

Sergio Neto, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2022 | 05h00

A vitória do São Paulo por 1 a 0 sobre o Corinthians, neste sábado, pelo Paulistão, teve diversas implicações. Além do fato de ser um clássico e o time alvinegro vir de uma boa sequência sob o comando de Fernando Lázaro, o estádio do Morumbi foi tomado por uma forte chuva que, de certo, influenciou no rolar a bola. Porém, os jogadores do São Paulo mantiveram a postura e fizeram o que deviam ter feito para sair com o triunfo.

Um dos destaques do time de Rogério Ceni, Rodrigo Nestor destacou que o Paulistão é um campeonato muito difícil de ser jogado, com muitas complicações. Por exemplo, neste sábado, foi a forte chuva. Mas, o São Paulo, contra o Água Santa, teve também de enfrentar o forte sol de Diadema em uma partida realizada na última segunda-feira as 15 horas.

"É difícil, porque a gente ainda está no começo da temporada", disse Nestor sobre manter a intensidade em todos os jogos. "Quando você joga contra o Água Santa às três da tarde, em Diadema, em um sol desleal para o jogador de futebol, é difícil manter essa pegada."

O clássico, para ele, teve o mesmo peso dos outros jogos. A missão é sempre a mesma: defender a camisa do São Paulo a todo custo. "Dar vida, e hoje não foi diferente. Não que falta em outro jogos, mas é difícil. O Campeonato Paulista é complicado, ainda mais nesta época do ano que é muito sol e chuva."

Nestor também destacou que, além do clima desfavorável, segurar o Corinthians não é tarefa fácil. Ele próprio ficou destacado para anular Renato Augusto, um dos pilares da equipe rival. Tarefa que completou com êxito. "A gente sabia que eu não jogo bem difícil, porque são jogadores de qualidade que jogaram na Europa e acabaram voltando Brasil. E quando a gente fez o gol, a gente baixou demais as linhas. Estava tendo espaço para esses jogadores."

"Mas no segundo tempo, o Rogério (Ceni) pediu para eu ficar mais perto dele (Renato Augusto). Deixar o Gil com a bola e ficar mais perto dele. Eu fiquei ali, até onde deu. Uma hora eu cansei um pouco também. Mas o que importa que a equipe conseguiu os três pontos", disse.

Não só de superar as adversidades se fez a vitória são-paulina. O elenco é bastante responsável pelo resultado no Morumbi, e o camisa 25 analisou o bom momento da equipe, que está sempre pronta para o combate. "Quando se trata do São Paulo, todos os jogadores tem de estar preparados. Até quem chegou a pouco tempo pode ver que entrou hoje, que é o caso do Andrés (Colorado). A gente está preparado. A gente fica sabendo em cima da hora quem vai jogar.  Então, todo mundo fica preparado. E hoje não foi diferente."

"O futebol é muito dinâmico e a gente tem de estar adaptado a tudo que vir", disse Nestor. "Quem joga ali no meio tem que fazer todas, na frente e atrás. Quando a gente é formado em Cotia, pela estrutura que a gente tem lá, consegue jogar em todas as posições. Seja no ataque ou atrás, e hoje não foi diferente. O Igor (Gomes) ajudou bastante, o (Gabriel) Sara ajudou bastante. O pessoal da frente, não só mais os mais novos, mas o Calleri e o Éder… acho que todo o time fez um trabalho coletivo bom e a gente conseguiu ganhar", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.