Bruno Cantini/Atlético-MG
Bruno Cantini/Atlético-MG

Rodrigo Santana afirma que Atlético-MG perdeu vaga no jogo de ida

Após levar 3 a 0 no primeiro jogo, no Mineiro, equipe alvinegra fez 2 a 0 sobre o Cruzeiro, mas acabou eliminada

Redação, Estadão Conteúdo

18 de julho de 2019 | 00h55

O técnico Rodrigo Santana exaltou a atuação do Atlético-MG na vitória por 2 a 0, nesta quarta-feira, no Estádio Independência, mas chamou a atenção para o fato de o time ter perdido a vaga na semifinal da Copa do Brasil, após a derrota no primeiro jogo, quinta-feira passada, no Mineirão, quando saiu derrotado pelo Cruzeiro por 3 a 0.

"A gente conversou agora que temos que cobrar que a entrega tem que ser daí para maior. A gente amarga essa desclassificação por causa do primeiro jogo. Não entramos tão atentos. Por mais que a gente crie um cenário de clássico, alguns jogadores dizem que parece que no Mineirão estão sempre longe da bola", declarou o treinador.

"Na atmosfera no Independência isso não acontece. Serviu de lição para todos nós. Domingo temos outra pedreira dentro de casa, a gente precisa da classificação para a Libertadores (2020) e a cobrança é essa. A gente sai chateado, mas a lição fica para o resto do ano", disse Santana, referindo-se ao duelo com o Fortaleza, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Apesar da eliminação na Copa do Brasil, Rodrigo Santana confia que a equipe atleticana tenha atingido um nível que poderá ser importante na disputa da outra competição nacional e também na Copa Sul-Americana.

"Toda desclassificação é bastante ruim, mas todos saíram de campo com a sensação de que deu o melhor. É isso que a gente tem que cobrar deles e eles mesmos se cobraram no vestiário. Domingo não pode ser diferente. Quem quiser estar dentro dos 11, tem que sair de campo assim. A disposição tática tem que ser grande, assim como a vontade de vencer e fazer com que a torcida venha ao estádio", afirmou o técnico atleticano.

Rodrigo Santana também aproveitou para explicar a tática utilizada, a escalação de Otero e os erros cometidos pelo equipe nos 90 minutos. "Os 20 primeiros minutos a gente chegou a ter 70% de posse, mas com muita pressa. Precisamos ser mais objetivos. Clareou, bate para o gol, cruza na área. Aquela zona de perigo a gente precisava explorar mais, por isso optamos pela entrada do Otero. A gente sabia que o Cruzeiro viria com as linhas bem baixas, por isso saímos com o Jair. A equipe respondeu bem, mas infelizmente não conseguimos os três gols."

Além da disputa do Brasileiro, o Atlético enfrenta o Botafogo, pela Copa Sul-Americana, dia 24, às 21h30, no Engenhão, pelo jogo de ida das oitavas de final da competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.