Celio Messias/Estadão
Celio Messias/Estadão

Rodriguinho vê ida para Turquia como página virada e garante foco no Corinthians

Depois de admitir que gostaria de ter sido negociado, meia afirma estar feliz mesmo permanecendo no alvinegro

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2017 | 18h42

Rodriguinho garante que a proposta do Fenerbahçe, da Turquia, virou coisa do passado e que seu foco está totalmente voltado para o time do Corinthians. O jogador deu declarações admitindo que gostaria de ter sido negociado, mas garante que isso já foi superado e usa o gol marcado diante da Caldense, na última quarta-feira, para justificar o que diz.

"Isso é página virada. Futebol é dinâmico. Não aconteceu, vira a página e vamos trabalhar focado. Pude demonstrar isso no último jogo. Estou feliz por estar aqui e ajudar meus companheiros", disse o meia, que tem contrato com o Corinthians até o fim do ano e já conversa para renovar o vínculo.

O Fenerbahçe fez uma proposta que mexeu com o jogador, que sonha atuar na Europa. Além disso, ele receberia um salário muito maior do que tem atualmente no Corinthians. Por ter perdido a oportunidade, o meia pedirá maior valorização para renovar contrato. "Sei que estão conversando sobre o assunto, mas deixo isso para meu empresário e espero que a gente chegue em um acordo", comentou.

A informação vinda do Corinthians é que as conversas estavam bem adiantadas para renovar contrato até que chegou a proposta do Fenerbahçe. Embora a oferta fosse positiva também para o clube, a diretoria decidiu segurar o jogador, pensando na parte técnica. Afinal de contas, naquele momento, o time não havia contratado Jadson e existia uma desconfiança sobre a qualidade do elenco corintiano.

A oferta dos turcos deve fazer com que o jogador fique mais valorizado, mas os dirigentes corintianos estão otimistas em um acerto. Vale lembrar que, caso ele não renove até o meio do ano, poderá assinar um pré-contrato com qualquer outra agremiação e sair do Corinthians de graça no fim de 2017.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.