Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians
Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians

Roger admite que vive no Corinthians um dos piores momentos da sua carreira

Atacante reconhece que deve ser reserva em jogo contra o Colo-Colo, pela Libertadores

O Estado de S.Paulo

27 Agosto 2018 | 05h00

Titular na vitória sobre o Paraná por causa da suspensão de Romero no Campeonato Brasileiro, o atacante Roger reconhece que deverá voltar ao banco de reservas na próxima partida do Corinthians, quarta-feira, diante do Colo-Colo, pela Libertadores. O paraguaio voltará a ser titular no jogo decisivo das oitavas de final - na ida, o Corinthians perdeu por 1 a 0. Roger admite que vive uma das fases mais difíceis de sua carreira. 

"Acho que não (vou seguir no time), talvez o mais justo seja o Romero voltar, ele é o titular da equipe hoje. A gente está aí tentando fazer o nosso melhor todo dia, não é fácil, você faz o melhor, treina, corre, luta, e às vezes a bola não entra. Fico chateado, mas a gente tem que ficar tranquilo, continuar. Romero é titular, um ídolo, vive um momento maravilhoso, se eu tiver que ser opção, sem problema. Se tiver que jogar, vou dar o melhor e esse gol vai sair", afirmou o atacante após a vitória que encerrou o jejum do Corinthians de quatro jogos sem triunfos (um empate e três derrotas). 

O técnico Osmar Loss revelou que deve optar pela volta de Romero como referência ofensiva. O paraguaio fez a função de camisa 9 na derrota para o Fluminense, na última quarta-feira, mas acabou suspenso. Mesmo assim, ele fez elogios ao centroavante Roger. "Roger teve uma função muito importante para o tipo de jogo de pressionar zagueiros, pressionar a última linha do Paraná. Ele segurou algumas bolas, fez passar algumas bolas, mas na quarta-feira há uma tendência na volta do Romero", disse Loss. 

Roger teve atuação discreta na Arena Corinthians. Em sua melhor chance, ele acertou a trave após belo lançamento de Jadson. "Talvez a fase mais difícil da minha carreira. Tenho trabalhado. Sou um cara muito chato, me cobro muito, não consigo desligar, fico com isso na cabeça. Uma coisa seria dar uma cavadinha, driblar o goleiro. Fiz o certo, dei uma chapada na bola no chão e cruzado, está na cartilha do nove (risos). Mas uma hora ela vai ter que entrar, nada resiste ao trabalho", disse o atacante, que marcou pela última vez no dia 26 de junho, diante do Santos. 

O Corinthians volta aos treinamentos nesta segunda-feira com uma dúvida importante na escalação. O goleiro Cassio foi substituído no sábado por causa de dores no quadril, causadas por uma queda. Ele fará tratamento intensivo, mas sua presença não está confirmada para o jogo de quarta-feira.

 

 

Mais conteúdo sobre:
CorinthiansRogerfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.