Roger celebra 2 anos de Cruzeiro e vê momento especial

Há exatos dois anos o meia Roger fazia sua estreia com a camisa do Cruzeiro. Desde então, o jogador atuou em 88 partidas e fez 11 gols pelo clube. Nesta segunda-feira, ele comemorou a data "especial" e apontou a dificuldade de chegar a essa marca atualmente no futebol brasileiro.

AE, Agência Estado

20 de fevereiro de 2012 | 15h47

"Eu sou muito feliz aqui. Acho que, hoje em dia, completar dois anos em um clube grande, como o Cruzeiro, é muito difícil. Há muita rotatividade dos jogadores. Então, isso é muito especial para mim, dois anos. Logo estarei completando 100 jogos também. Então, é especial", disse, em entrevista ao site oficial do clube.

No dia 20 de fevereiro de 2010, Roger vestiu a camisa do Cruzeiro pela primeira vez, e logo em um clássico diante do Atlético-MG. A partida é lembrada pela torcida até hoje. Aos 43 minutos do segundo tempo, o meia marcou o terceiro gol da vitória por 3 a 1, e, na comemoração, vestiu parte da fantasia de raposa do mascote da equipe.

"Sem dúvida foi uma estreia memorável, que todo jogador sonha em fazer quando estreia com a camisa de um grande clube. Foi com gol, contra o maior rival. E a comemoração inusitada, que apareceu na hora, ficou marcada no coração do torcedor. E até hoje, depois de dois anos, é uma das coisas que o torcedor mais lembra relacionada a mim", relembrou.

Após duas temporadas, Roger viveu momentos opostos pelo clube. Em 2010 foi vice-campeão brasileiro, enquanto em 2011 foi campeão mineiro, mas viu a equipe lutar contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

"Foram situações totalmente distintas, mas que, no ano passado, principalmente, a gente conseguiu resolver a situação. Estou muito feliz aqui, sou muito feliz, não só aqui no Cruzeiro, mas em Minas Gerais. O povo é muito carinho. Espero continuar aqui por mais alguns anos", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCruzeiroRoger

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.