Roger culpa ataque pelo empate no Maracanã

O goleiro Roger eximiu-se de culpa no gol de empate do Flamengo e atribuiu à inoperância do ataque do São Paulo o tropeço no Maracanã. Ele era um dos jogadores mais irritados à saída do estádio e também fez críticas à falta de atenção da equipe, por ter permitido uma falta perigosa nos acréscimos. "Um time que quer ser campeão não pode perder tantos gols, não vou assumir a culpa pelo resultado; na cobrança de falta (de Anderson), a bola resvalou na barreira; nossa equipe recebeu um castigo merecido." Ele teve a atenção desviada no gol do time carioca, quando a bola tocou em Adriano. E disse ainda que no final do jogo a equipe devia ter-se preocupado em dar "chutões para a frente". "A gente não pode ficar brincando e tentar sair jogando como fez." O técnico Roberto Rojas concordou com o goleiro. "Perdemos por isso mesmo. Por ter desperdiçado várias oportunidades e por falta de concentração, por um descuido no final." Feliz por ter feito o segundo gol no Maracanã, na segunda atuação no estádio, Diego Tardelli reconheceu que o ataque deixou a desejar e que "faltou malandragem" ao São Paulo. Ele sofreu uma pancada na panturrilha, sem gravidade, e deu a vaga a Rico. Luís Fabiano também não rebateu Roger e até tratou de defender o colega de time. "Quando a bola bate na barreira, não tem jeito." Mas o artillheiro do São Paulo foi menos complacente com Rico. Os dois discutiram asperamente em campo, após um finalização precipitada do substituto de Diego. Depois, no vestiário, Luís Fabiano explicou, ainda aborrecido, o motivo do desentendimento. "A gente tinha que segurar a bola naquele momento e não fazer loucura." Sobre o confronto com Oswaldo de Oliveira, com quem trabalhou por mais de um ano no São Paulo, Rojas disse que o atual técnico do Flamengo já tem "um nome" no futebol brasileiro e que dispensa comentários. Prioridade - Roberto Rojas quer dar prioridade ao Campeonato Brasileiro, deixando a Copa Sul-Americana em segundo plano. Isso pode contrariar os interesses da diretoria do clube. Já na quarta-feira, pela competição continental, o São Paulo enfrenta o Grêmio, no Olímpico, e o técnico disse que não deve escalar o time principal. "Se tivéssemos 30, 40 jogadores à disposição, tudo bem. Mas não é assim." O São Paulo espera que o meia Kaká se reapresente nesta segunda-feira, às 15h30, no Morumbi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.