Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Roger defende escolha por Michel Bastos: 'Não é laranja podre'

Técnico do Palmeiras diz que jogador sofre preconceito pela idade e por boatos errados sobre a sua conduta

Andreza Galdeano, Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2018 | 12h27

O técnico Roger Machado, do Palmeiras, se dedicou na entrevista coletiva desta sexta-feira a defender a escolha pelo lateral Michel Bastos como titular. Provável novidade da partida de sábado, contra o Mirassol, pelo Campeonato Paulista, o jogador teve a presença no time justificada pelo treinador, que afastou críticas sobre o comprometimento e o comportamento do atleta dentro do clube.

+ Nova parceira traz ao clube tecnologia da seleção alemã

+ Podcast Palmeiras: clube se prepara para efemérides na arena

Segundo Roger, Michel recebe críticas injustas. "A gente vai ficando mais velho como jogador e alguns rótulos começam a ser impregnados. Um dos mais nocivos é que você vira a laranja podre do grupo. Não é o caso dele", afirmou o treinador. O lateral é o favorito a começar jogando na partida de sábado, fora de casa, ao ganhar a disputa com Victor Luís para a posição.

O treinador explicou que assim como Michel, sofreu preconceito no fim de carreira por ser experiente. "Em algum momento da minha carreira eu já fui tido como jogador velho, desagregador ou que não queria mais trabalhar. Isso não é verdade. Importante fazer uma gestão dentro do grupo", afirmou. Roger explicou que dentro do futebol, o atleta experiente de um elenco é o responsável por receber reivindicações do grupo e passar para a diretoria, processo que pode passar a impressão errada de que o interlocutor é alguém problemático.

Michel Bastos tem 34 anos e jogou a Copa do Mundo de 2010 pela seleção brasileira. O jogador chegou ao Palmeiras no ano passado e teve pouca sequência como titular. Contra o Mirassol, ele deve fazer a segunda partida no time principal nesta temporada. A outra foi na vitória por 2 a 0 sobre o Bragantino, em Bragança Paulista.

O Palmeiras buscará no interior a sexta vitória consecutiva, sequência que para o treinador, é surpreendente. "A gente idealizou o começou bom de ano para poder trabalhar. Os resultados não me surpreendente tanto pelo bom material humano, mas sim por estarmos aliando desempenho e resultado depoisd e uma pré-temportada curta", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.