Roger deu a volta por cima no Flamengo

Do "inferno ao céu" em apenas quatro dias. Esta foi a sensação do lateral-esquerdo Roger, do Flamengo, ao término do clássico com o Fluminense, domingo, pelo Campeonato Carioca. Ele chegou a correr risco de não participar da partida, por causa de sua má atuação no empate com o Friburguense, durante a semana, e a conseqüente perseguição da torcida. Mas o jogador acabou ganhando um voto de confiança do técnico Abel Braga e não decepcionou. Marcou os dois gols (seus primeiros como profissional) que garantiram a vitória flamenguista sobre o tradicional rival, por 4 a 3.Mas esta não foi a primeira vez que Roger viveu problema semelhante de adaptação. Antes de ser contratado pelo Flamengo, ele jogava no Corinthians, onde também enfrentou a ira da torcida. Durante a disputa da Copa Libertadores da América, no primeiro jogo com o River Plate, em Buenos Aires, o lateral-esquerdo Kléber foi expulso. A equipe paulista, que vencia a partida por 1 a 0, acabou deixando o adversário virar o placar para 2 a 1.No jogo de volta, em São Paulo, Roger foi escolhido para ser o substituto de Kléber. Logo no início do confronto, recebeu cartão vermelho. O Corinthians acabou eliminado (perdeu por 2 a 1) e Roger foi considerado um dos grandes culpados pelo fracasso na competição. Sem ambiente no clube, não teve muitas oportunidades. Agora no Flamengo, ele espera demonstrar suas qualidades. "Sei que ainda vou viver bons e maus momentos, pois futebol é assim mesmo. Mas quero tempo para mostrar meu valor", disse Roger. O jogador revelou que não esperava marcar dois gols no clássico. "Sabia que ia atuar bem. Havia dito que as vaias iam virar aplausos. Mas fazer gols, isto foi uma surpresa." Para Abel Braga, a escalação de Roger foi definida pelo próprio jogador. "Conversei com ele durante a semana e ele me disse que estava muito motivado", disse.E o diretor-técnico Júnior, que conheceu o jogador na sua rápida passagem como técnico do Corinthians em 2003, atesta o talento de Roger. "Percebi a qualidade dele e indiquei ao Abel", afirmou o dirigente, que atuou durante muitos anos como lateral-esquerdo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.