Divulgação/Vipcomm - 13/7/2010
Divulgação/Vipcomm - 13/7/2010

Roger diz que juiz estava esperando qualquer lance para decidir o jogo

No entanto, ele recuou do que havia dito sábado e negou existir esquema para favorecer Corinthians

Agência Estado

16 de novembro de 2010 | 17h14

Três dias depois de gerar polêmica, após a derrota do Cruzeiro para o Corinthians, o meia Roger recuou nesta terça-feira e negou que tenha levantado suspeitas sobre o árbitro Sandro Meira Ricci. O jogador disse apenas que o juiz não estava preparado para aguentar a pressão da torcida e da mídia.

Veja também:

linkCruzeiro se revolta com 'nota 10' à arbitragem

linkTite desabafa e exibe números para defender o Corinthians

linkCorinthians ameaça processar Roger

linkMontillo ainda é dúvida após ser avaliado

BRASILEIRÃO - tabela Classificação | lista Resultados

"Lembrei do que aconteceu no lance do jogo contra o Internacional [no Campeonato Brasileiro de 2005], só isso. O árbitro estava pressionado. Sei que, quando é jogo de decisão, tem 40 mil pessoas dentro do Pacaembu, o juiz entra tremendo. O jogador fala diferente, chega botando pressão. E eles têm medo, não adianta. Ainda mais árbitro que não tem muita experiência. Ele (Ricci) estava esperando qualquer lance para decidir a partida", afirmou Roger.

"Em jogo decisivo, parece que tudo conspira para o Corinthians, é uma força externa muito grande, torcida muito forte, força de mídia enorme. Não estou falando que o árbitro foi mal-intencionado, que há esquema por baixo dos panos, porque isso não existe", destacou o meia.

No sábado, Roger criticou a atuação de Ricci e insinuou a existência de um esquema para beneficiar o time paulista, que assumiu a liderança isolada do Brasileirão. "O Cruzeiro jogou melhor e teve vários lances que poderiam ter decidido o jogo ao nosso favor. Lances de impedimento e um pênalti no Thiago Ribeiro, mas que o juiz não deu. Não dá para cravar, mas acho que pode ter algo sim. Já estive lá em 2005 e sei como as coisas funcionam no Corinthians. Naquela época não reclamei e agora também não posso reclamar", havia declarado o meia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.