Divulgação/Vipcomm
Divulgação/Vipcomm

Roger diz saber 'como funciona' o Corinthians

Jogador do Cruzeiro pede ajuda de Palmeiras e São Paulo na luta pelo título do Brasileirão

estadão.com.br

13 de novembro de 2010 | 22h16

SÃO PAULO - Ainda inconformado com a derrota no Pacaembu, por 1 a 0, para o Corinthians, o meia Roger reclamou bastante do resultado. Para o jogador do Cruzeiro, há um esquema para favorecer o time paulista na luta pelo título do Campeonato Brasileiro.

Veja também:

link Corinthians bate Cruzeiro por 1 a 0 e assume a liderança

"Já estive lá em 2005 e sei como as coisas funcionam no Corinthians. Naquela época não reclamei e agora também não posso reclamar", disse Roger, em entrevista à ESPN/Brasil. O jogador esteve no grupo que foi campeão brasileiro naquele ano, que ficou marcado por um jogo polêmico com o Internacional, vice-campeão no torneio.

Roger também apelou para os rivais do Corinthians para evitar que o time paulista conquiste o título. "O Corinthians fica pedindo a ajuda de Palmeiras e São Paulo para que vençam seus jogos contra Cruzeiro e Fluminense. Mas eles já estão sendo ajudados pela arbitragem. Então, de repente, os rivais do Corinthians podem acabar ajudando a gente."

"É ruim quando há uma terceira força para decidir uma partida. O Cruzeiro jogou melhor e tivemos vários lances que poderiam ter decidido o jogo ao nosso favor... Lances de impedimento e um pênalti no Thiago Ribeiro... Mas que o juiz não deu a nosso favor", disparou o meia. "Não dá para cravar, mas acho que pode ter algo sim", finalizou Roger.

Não sabe. O presidente do Corinthians ironizou a declaração de Roger. "Realmente ele sabe como era o vestiário [em 2005], era uma zona. Muitos jogadores não queriam entrar em campo para jogar, e o Roger era um deles." O meia não participou vários jogos daquele campeonato, vitima de algumas contusões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.