Felipe Szpak/Ag. Corinthians
Felipe Szpak/Ag. Corinthians

Róger Guedes brilha, elogia Fernando Lázaro e não culpa Sylvinho no Corinthians

Após sete jogos de jejum, o agora camisa 9, enfim, desencantou na temporada, logo em dose dupla

Redação, Estadão Conteúdo

17 de fevereiro de 2022 | 00h13

Nenhum jogador do Corinthians ficou mais feliz e aliviado após a vitória por 3 a 0 sobre o São Bernardo na Neo Química Arena que Róger Guedes. Após sete jogos de jejum, o agora camisa 9, enfim, desencantou na temporada. Logo em dose dupla, repetindo o feito de setembro de 2021, quando também foi às redes duas vezes, contra o Palmeiras. De paz com o gol, o atacante rasgou elogios ao técnico-interino Fernando Lázaro, mas evitou avaliar que a melhora tenha ocorrido pela saída de Sylvinho.

Róger Guedes vinha se cobrando bastante pela falta de gols no ano. No primeiro tempo, praticamente não tocou na bola. Lamentou alguns passes que não chegaram e caminhou ao vestiário com cara de poucos amigos. Na etapa final, contudo, fez dois belos gols saindo nas costas dos marcadores, se ajoelhou e agradeceu aos céus.

"Gosto de flutuar ali, fico feliz de atuar ali, o Fernando (Lázaro) apostou em mim ali. A gente conversou bastante na outra semana já. Hoje tive a felicidade de fazer dois gols e ajudar a equipe com um bom resultado", comemorou.

Surpreso e eufórico após tirar um peso das costas, Róger Guedes não sabia o que fazer na Neo Química Arena. Abraçou muito Giuliano pelo ótimo passe do primeiro gol, festejou quando Willian também desencantou, após 15 jogos neste retorno, e saiu rindo à toa quando foi substituído aos 37 minutos. Ainda brincou com Jô, seu substituto. Aplaudido de pé pela torcida, retribuiu as reverências e ficou no banco vendo a reta final da partida.

No fim, voltou ao gramado para nova comemoração com Giuliano, em espécie de eterno agradecimento, ainda aplaudiu a torcida e cumprimentou os jogadores do São Bernardo. A noite perfeita foi coroada com o troféu de craque da partida.

Questionado se o time melhorou sem Sylvinho, após três vitórias seguidas com Fernando Lázaro e oito gols anotados, apostando mais em um futebol ofensivo, Róger Guedes optou pela diplomacia e evitou culpar o ex-treinador.

"Acho que não vai por aí. Quando sai um treinador, a cobrança fica maior sobre os jogadores", evitou polemizar. "A gente está trabalhando, o Fernando está fazendo um trabalho belíssimo no dia a dia e quando ganha, está tudo bem, mas quando perde é assim mesmo", seguiu. "É continuar assim daqui para a frente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.