Bruno Cantini/Divulgação
Bruno Cantini/Divulgação

Roger Machado deve encontrar elenco de 50 jogadores em chegada ao Palmeiras

Vinda de novo técnico coincide com retorno de atletas emprestados, o que obrigará a fazer escolhas no planejamento

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

24 Novembro 2017 | 07h00

O técnico Roger Machado terá de resolver um complicado quebra-cabeça no Palmeiras, chamado elenco. A diretoria teve pressa para fechar com o treinador a fim de dar a ele tempo para definir o plantel de 2018 com base na manutenção da maioria dos 31 jogadores à disposição atualmente, além da escolha entre os 20 atletas que retornam de empréstimo e de ainda lidar com possíveis reforços e saídas.

+ Jailson comemora volta ao Palmeiras e torce por manter invencibilidade

+ Felipe Melo pede para torcida apoiar Roger Machado e Lucas Lima

O grande repertório de opções é um desafio sobre o qual o próprio Palmeiras está ciente. A cúpula do clube optou por antecipar o planejamento para a próxima temporada para ter o quanto antes um rascunho de como será a equipe. Por isso, em vez de esperar pela definição de Abel Braga sobre o futuro, acertou rapidamente com Roger Machado, que estava disponível e aberto a participar da montagem do novo elenco.

"É importante ele já participar das contratações e das peças que quer encaixar. Para nós, jogadores, é importante saber quem vem. Vamos sair de férias com o treinador definido", elogiou o volante Felipe Melo.

A diretoria tomou algumas decisões sobre o elenco mesmo antes de fechar com Roger. O zagueiro Emerson Santos, do Botafogo, está contratado desde agosto e o lateral-esquerdo Diogo Barbosa, vindo do Cruzeiro, teve a chegada confirmada na semana passada.

Ainda no pacote de novidades, mais duas conversas estão adiantadas há algumas semanas. O goleiro Weverton, do Atlético-PR, e o meia Lucas Lima, do Santos, devem ser os próximos a chegar. O clube ainda monitora o atacante David, do Vitória, e o lateral Rafinha, do Bayern de Munique.

A partir de janeiro, o treinador terá 20 "opções gratuitas" a mais para escolher. Trata-se de jogadores emprestados a outras equipes e que se reapresentam ao Palmeiras após o término dos contratos temporários.

Dessa lista, no entanto, poucos devem ser aproveitados. Estão nos planos nomes como o atacante Artur, do Londrina, o zagueiro Thiago Martins, do Bahia, e os laterais Victor Luís, do Botafogo, e João Pedro, da Chapecoense. Os demais atletas provavelmente serão repassados a outros clubes em novos empréstimos ou então negociados em definitivo.

SAÍDAS

Apesar da quantidade de chegadas, o Palmeiras terá algumas baixas também. As primeiras são de jogadores emprestados que, na virada de ano, ficarão sem vínculo definitivo com o clube. São oito atletas nesta situação, que não terão os contratos renovados, como os atacantes Luan, do América-MG, e Alecsandro, do Coritiba.

A equipe perderá o lateral Zé Roberto, que se aposenta do futebol aos 43 anos. Outro lateral-esquerdo, Egídio, está em fim de contrato, não deve renovar o vínculo e já não tem sido relacionado para as partidas finais do Campeonato Brasileiro.

Quem também tem ficado fora é o atacante Róger Guedes. A tendência é ele ser negociado na Europa na próxima janela. Em fim de contrato de empréstimo, o zagueiro Antônio Carlos também não deverá ficar.

Roger Machado terá ainda de avaliar a possível utilização de jogadores pouco aproveitados nesta temporada. É o caso do volante Arouca, que tem recebido ofertas e pode fazer as malas.

DEBATE - O Palmeiras acertou ao trazer o técnico Roger Machado?

SIM: Leivinha, ex-atacante do Palmeiras

Acho que pode dar muito certo, porque o Roger Machado se mostra muito estudioso, tem certa experiência adquirida em outros clubes, como o Grêmio e o Atlético-MG. Como ele foi jogador profissional, também entende do ambiente, sobre como lidar com o elenco e gerenciar problemas. 

Sem dúvida será o maior desafio da carreira dele, já que no Palmeiras existe uma política muito forte e, por isso, não se dá continuidade aos treinadores. Tudo vai depender dos resultados. Como é o clube que mais investiu no futebol brasileiro, junto com o Flamengo, o trabalho dele vai carregar uma expectativa muito grande, tanto dentro do Palmeiras como da torcida. Pelo menos o Roger vai ter nas mãos um elenco bastante qualificado para 2018.

NÃO: Jorginho Putinatti, ex-meia do Palmeiras

Na minha opinião vai ficar tudo igual como já está hoje. O Roger Machado pegou um elenco de cobras criadas lá no Atlético-MG, passou alguns meses e não conseguiu se dar bem. Acabou demitido ainda no meio da temporada. O que falta no Palmeiras, para mim, é experiência. Acho que a forma de trabalho dele será fundamental para conquistar o time, já que o ideal seria trazer alguém com mais bagagem e conhecimento. Quem sabe se ele souber como conduzir, pode se dar bem.

Acho que o Alberto Valentim era a pessoa que mais merecia ser técnico do Palmeiras, pela credibilidade e entendimento com os jogadores. Só que deveriam dar um trabalho de longo prazo para ele, não só uma aposta temporária. Mas o Palmeiras tem muito disso: não dá valor a quem é do clube, seja técnico ou jogador de base.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.