Divulgação
Divulgação

Grêmio avança e começa a pensar no líder Corinthians

Time gaúcho pode roubar do Atlético-MG a 2ª posição na tabela

Estadão Conteúdo

04 de setembro de 2015 | 09h21

A vitória do Grêmio por 2 a 0 sobre o Figueirense fez com que o clube gaúcho se aproximasse do Corinthians e diminuísse sua diferença para o segundo colocado, o Atlético-MG. Um ponto separa as duas equipes que correm atrás do líder no Brasileiro. A boa fase pode fazer com que o Grêmio roube a posição do adversário de Minas e seja ele a sombra do Corinthians na briga pelo título. Tanto Grêmio quanto Atlético-MG esperam por um tropeço dos comandados de Tite. A diferença hoje é de sete e oito pontos, respectivamente.

"A distância para o líder agora é considerável, mas ela é perfeitamente possível de ser retirada. Ainda vai haver muita alternância na competição. E aqueles times que estão se recuperando vão tirar muitos pontos de quem está mais acima", disse o treinador Roger Machado.

Na quinta, o Grêmio entrou em campo contra o Figueirense com quatro desfalques. Para Roger Machado, a equipe provou sua consistência ao manter o "padrão de jogo" fora de casa e com tantos desfalques. "O que me deixa feliz e satisfeito é poder, com as ausências que tivemos, manter o padrão de jogo. Todos os jogadores que entraram em campo contribuíram de forma positiva, o que nos dá a garantia de que temos um grupo muito bom, diferente do que se falava no começo da competição", comemorou o treinador.

Em Florianópolis, Roger não contou com o meia Douglas, suspenso, com o atacante Luan, na seleção olímpica, o goleiro Marcelo Grohe, na seleção brasileira principal, e o zagueiro Erazo, na seleção equatoriana. Para estas posições, apostou em Maxi Rodríguez, Bressan, Tiago e Bobô, destaque da partida, com um gol e uma assistência. Roger Machado não desiste de vislumbrar o primeiro lugar.

ARBITRAGEM

Questionado sobre a arbitragem, que vem concentrando as discussões no futebol brasileiro, o treinador gremista tentou se esquivar. "Temos de falar a respeito, mas temos de pensar numa visão mais ampla de tudo isso. Não consigo entender porque a tecnologia não ajuda a arbitragem." Fazendo menção às recentes declarações da CBF, de que os árbitros brasileiros tem índice de acerto de 90%, o técnico reforçou o pedido por mais tecnologia no futebol. "Se tem 90% de acerto, vamos minimizar isso e chegar a 100%, com a tecnologia para ajudar os árbitros. Mas (as polêmicas) não me preocupam. Dentro de campo, a gente tenta fazer o nosso melhor e acho que, de um modo geral, a arbitragem também."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.