Rogério: 200 jogos pelo Corinthians

O lateral Rogério completa 200 jogos com a camisa do Corinthians na partida de hoje, às 18h, contra o Paraná, no Pacaembu. A marca vai lhe render uma placa de prata oferecida pelo clube. No ano passado, Rogério ganhou uma outra placa, pelos 50 jogos consecutivos em 2003. "Uma pena que não vou terminar a temporada como planejei, chegando aos 50 gols como profissional", observa o capitão corintiano. "Ainda faltam três gols. Não acredito que seja possível fazer três gols em dois jogos. Mas estou feliz por chegar aos 200 jogos por um clube que aprendi a gostar". É praxe no clube homenagear os jogadores que alcançam 200 jogos pelo Corinthians. Em 2003, Vampeta e Kléber receberam a mesma homenagem.Para que a festa seja completa, Rogério sonha com uma vitória sobre o Paraná. "Ficaria duplamente feliz com isso", diz o lateral. "Afinal de contas, esse jogo será a despedida do Corinthians na temporada, jogando como mandante. Seria importante deixar uma boa imagem se despedindo com uma vitória diante da nossa torcida".Apesar do clima festivo pela marca de Rogério, o técnico Juninho promete um time concentrado só na vitória. Ele sabe que o Corinthians faz uma de suas piores campanha da história, jogando como mandante. Só neste Campeonato Brasileiro foram 8 derrotas em casa: Atlético-MG, Coritiba, Figueirense, Cruzeiro, São Caetano, São Paulo,Atlético-PR e Bahia.A situação é tão crítica que até o ex-cardeal de São Paulo, D. Paulo Evaristo Arns, apareceu ontem no Parque São Jorge. Não para abençoar o time mas para lançar o seu livro, ´Corintiano, Graças a Deus´. D. Paulo, porém, foi crítico na hora de falar sobre o time. Ouviu Vampeta dizer: "Com a ajuda dele (D. Paulo), vamos ganhar do Paraná. Dom Paulo respondeu: "Para ganhar, o time precisa contratar gente boa". De sua parte, o técnico Juninho praticamente confirmou a escalação após o treinamento de ontem cedo, no Parque São Jorge. Além de Betão no lugar do zagueiro Marquinhos, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, ele garantiu o menino Jô no lugar de Gil, que sofreu entorse no tornozelo direito. Outra mudança é no meio-de-campo: Jamelli perdeu a posição para Renato. O meia só não enfrenta o Paraná que continuar sentindo dores no púbis. O jogador, que deixou o treino de ontem antes de seu final, disse que ´não é nada grave´. Já o técnico Juninho prefere esperar até hoje. "Ainda não decidi se o Renato vai ou não para o jogo. O Robert também está na parada".Se jogar, Renato voltará a executar a função de meia - a sua favorita. "Vinha jogando como volante mas não tem problema. O mais importante é estar jogando, independentemente da posição. Na meia, é até melhor. Nessa posição, tenho mais chegada e posso até arriscar meu chute forte de fora da área".Com Renato, Juninho vai reeditar o mesmo meio-de-campo que jogou a final do Campeonato Brasileiro de 2002, contra o Santos: Fabinho, Vampeta, Fabrício e Renato, que entrou no segundo tempo daquela decisão. De acordo com o treinador, o time fica bem mais equilibrado com um meio-de-campo assim. "O time fica com a força de Fabinho, o bom passe de Vampeta e de Fabrício, e também ganha com a boa chegada de Renato na área", observa o técnico. "Só não podemos esquecer que o time não é só um meio-de-campo. É preciso atenção e competência também dos outros compartimentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.