Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Rogério Ceni admite que má fase afasta os são-paulinos do estádio

Apenas 4,5 mil pessoas foram ao Morumbi contra o São Bento

CIRO CAMPOS, O Estado de S. Paulo

12 Março 2015 | 21h58

O capitão do São Paulo, Rogério Ceni, lamentou nesta quinta-feira a pouca presença da torcida no jogo contra o São Bento, pelo Campeonato Paulista, mas admitiu a parcela de responsabilidade do time pelo menor público do time no ano. Apenas 4,5 mil pessoas foram ao estádio do Morumbi acompanhar a vitória por 1 a 0, garantida com um pênalti cobrado pelo goleiro aos 28 minutos do segundo tempo.

A má atuação em campo ainda teve na arquibancada as vaias dos torcedores. "Nos dias em que o torcedor está chateado nós temos que compreender. Nós não estamos merecendo aplausos nesse momento. Temos de voltar a jogar bem para trazer o jogar para a próxima quarta-feira, quando vamos ter uma partida muito importante", disse Rogério sobre o confronto com o San Lorenzo, da Argentina, pela Libertadores.

Contra o São Bento a equipe do Morumbi criou pouco e errou muitos passes. Até o próximo compromisso pela competição continental o técnico Muricy Ramalho terá só mais quatro dias de treinos, além de enfrentar a Ponte Preta, em Campinas, no domingo, pelo Campeonato Paulista. "Torcedor vem no estádio para ver gol. Infelizmente estamos com dificuldades para finalizar. Não estamos jogando bem, temos consciência disso. O que podemos fazer é trabalhar todo dia", comentou o capitão.

Em especial para Rogério Ceni a vitória teve um peso maior. O goleiro errou um pênalti no domingo no clássico com o Corinthians e assumiu a culpa pela derrota por 1 a 0. "Quando se perde pênalti, tem que assumir a responsabilidade. Às vezes você precisa ter mais culhão do que qualquer outra coisa", comentou o jogador ao deixar o campo no Morumbi.

Mais conteúdo sobre:
futebol São Paulo FC Rogério Ceni

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.