Divulgação
Divulgação

Rogério Ceni admite seguir carreira de técnico no futuro

Apesar de ter renovado contrato com o São Paulo, goleiro já vislumbra novos desafios e afirma estar disposto a esse desafio

O Estado de S. Paulo

01 de dezembro de 2014 | 23h21

Mesmo com o contrato prolongado com o São Paulo até agosto, o goleiro Rogério Ceni já parece ter uma preferência pelo que vai fazer depois de se aposentar. Em entrevista nesta segunda-feira ao canal SporTV, o capitão do time do Morumbi afirmou que a profissão de técnico é o caminho que mais lhe agrada para o futuro.

"Pensando em algum projeto futuro, eu gostaria muito desse desafio como treinador. Acho uma carreira difícil, ainda mais no futebol brasileiro, mas é o que mais me atrai", disse o goleiro de 41 anos. Na última semana o jogador anunciou a renovação de contrato com o São Paulo até 5 de agosto de 2015, de olho na oportunidade de jogar a sua nona Libertadores.

De acordo com Rogério, a renovação ainda não foi assinada e não teve como condição para o acordo a chegada de reforços para a disputa do torneio. "Temos um bom time, forte, o que falta para gente é o que sobra para Cruzeiro. É número, volume de atletas que se faz necessário para jogar dois campeonatos simultâneos", destacou o goleiro.


Para poder jogar em alto nível em 2015, quando completará 42 anos, Rogério revelou que vai seguir um planejamento específico para estar em forma. "Estamos fazendo um plano na parte de fisiologia, nutrição e depende da minha dedicação nessas férias. Como sou muito determinado, eu confio que vai dar certo", explicou. O jogador pretende separar de duas a três horas por dia nas férias para poder se dedicar à preparação física e dispensou se poupar de partidas do Paulistão. "Vou querer jogar todos os jogos", contou.

Rogério disse em tom confessional ser muito obcecado por metas na carreira e admitiu que isso por certas vezes o atrapalha de relaxar. "Eu durmo muito pouco, de quatro a cinco horas por noite. Às vezes tomo remédio para poder dormir". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.