Rogério Ceni chega, joga e já reclama

Foram quase dois meses longe da equipe, quando defendeu a seleção brasileira na Copa do Mundo. Mas o período de afastamento não afetou a posição do goleiro do São Paulo, Rogério Ceni, dentro do grupo. Líder, chegou e já mandou recados e puxões de orelha para o time depois do empate com o Cruzeiro pela Copa dos Campeões. ?Este não é o São Paulo que conhecemos?, afirmou, taxativo. ?Não jogamos nem um terço do que podemos.? Um dos argumentos para justificar a má exibição foi o cansaço de alguns jogadores, entre eles o próprio goleiro. Por isso, a maior preocupação hoje é descansar. Rogério pretende passar todo o dia no hotel onde a delegação está hospedada. Sobre o próximo jogo, dia 14, contra o Grêmio, sua análise já está pronta. ?Creio que teremos de vencer por uma diferença de três gols?, disse. A participação na campanha do pentacampeonato mundial ?afiou? ainda mais a língua do goleiro são-paulino. Depois de treinar nos gramados perfeitos dos estádios japoneses e coreanos, não poupou críticas à infra-estrutura oferecida em Natal, no Rio Grande do Norte. ?Campo aqui é um problema tanto para os treinamentos quanto para o jogo?, reclamou. Indiferente ao resultado, o técnico Oswaldo de Oliveira preferiu igualar as responsabilidades. ?A situação está complicada para todo mundo?, observou. Cercado por seguranças, o meia Kaká deixou o estádio sem dar declarações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.