Rogério Ceni começa a discutir futuro

O goleiro Rogério Ceni começa a definir amanhã seu futuro: permanecer no São Paulo ou rescindir seu contrato com o clube. Após o jogo de quarta-feira contra o Flamengo, em Maceió, no encerramento da Copa dos Campeões, Rogério Ceni não quis antecipar se tinha sido sua última partida com a camisa do São Paulo. "Acho que não foi meu último jogo?, disse o goleiro, ainda sob o clima pesado no vestiário pela perda do título. Mas também não garantiu a possibilidade de uma reconciliação com a diretoria. Rogério nada garante antes do primeiro encontro com a advogada Gislaine Nunes, especializada em legislação esportiva, marcado para o fim da tarde desta sexta-feira. Mas o atleta já avisou que independentemente do que for acertado com a advogada, ele só falará sobre o assunto na segunda ou terça-feira. Ele quer descansar esses dias para tentar esquecer o resultado da Copa dos Campeões. Rogério Ceni brigou com o presidente do São Paulo, Paulo Amaral, às vésperas da derrota para o Flamengo por 5 a 3, na primeira partida da final da Copa dos Campeões. O goleiro havia levantado um assunto sobre o acordo feito com a diretoria para reajustar seu salário. O atleta disse que o aumento seria uma forma de o São Paulo compensá-lo pela decisão de permanecer no clube, depois de ter recusado uma proposta do Arsenal, da Inglaterra. Segundo o goleiro, o clube inglês pretendia contratá-lo em meados do primeiro semestre. O goleiro não ganhou a compensação financeira e ainda a diretoria do São Paulo pôs em dúvida a verdade sobre a proposta do Arsenal.Revoltado, Rogério Ceni fez críticas ao comportamento de Paulo Amaral, ao afirmar que o dirigente tem a mania de dar murro na mesa e afirmar que quem manda no São Paulo é ele, contrariando, segundo o goleiro, a tradição do clube, que se preza "pela nobreza." Rogério disse que o importante agora para definir sua situação não é o dinheiro. "E o que é vocês vão ficar sabendo na próxima semana", afirmou o goleiro durante a entrevista. Por causa da briga com Paulo Amaral, surgiu até especulação sobre a possível dispensa de Rogério Ceni da delegação antes do primeiro jogo da final. Mas o técnico Nelsinho Baptista manteve o goleiro na equipe. Rogério não relacionou a perda da Copa dos Campões com o desentendimento que teve com a diretoria. Ele disse que esse problema não afetou o time, muito menos os comentários sobre o interesse do São Paulo na contratação de Edmundo, antes de o atacante acertar com o Cruzeiro. "O que aconteceu comigo é normal no futebol. O interesse também por reforços não atrapalhou. Não foram esses os motivos da perda do título. Jogamos mal no primeiro tempo da primeira partida, isso sim pesou muito", analisou o goleiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.