Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Rogério Ceni confirma que vai se aposentar no dia 6 de agosto

Aos 42 anos, goleiro do São Paulo descarta esticar contrato

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

14 de maio de 2015 | 15h38

O goleiro Rogério Ceni, do São Paulo, descartou nesta quinta-feira qualquer possibilidade de esticar o contrato e adiar a aposentadoria. Com o vínculo até o dia 6 de agosto, o jogador de 42 anos lamentou a queda nas oitavas de final da Copa Libertadores diante do Cruzeiro, na quarta, e disse estar frustrado por ter que abandonar o futebol sem estar na briga por algum título.

O capitão da equipe somente renovou contrato com a diretoria, em reunião no fim do ano passado, para poder disputar a competição continental. Uma possibilidade para renovar o vínculo seria se o São Paulo conquistasse a Libertadores pela quarta vez e garantisse vaga no Mundial de Clubes, sonho que foi encerrado com a eliminação em Belo Horizonte.

"O presidente (Carlos Miguel Aidar) insistiu para renovar até o dia 6 de agosto e assim será feito. É uma pena se despedir. Era a última possibilidade de jogar uma final e ser campeão", disse o jogador durante o desembarque da equipe na tarde desta quinta-feira no aeroporto de Congonhas. Rogério Ceni demonstrava abatimento e falava em um tom de voz baixo.


Das 17 participações do São Paulo na competição em nove o goleiro participou. Em 2005, conquistou o título e ainda teve a honra de erguer a taça como capitão no estádio do Morumbi. Como na atual temporada o clube também caiu no Campeonato Paulista, os jogos restantes do goleiro na carreira não vão lhe dar mais nenhum título.

"Eu amo o São Paulo, isso aqui é a minha vida. Faz 25 anos que jogo aqui e vivo aqui. Mas existe um contrato e um combinado que foi feito na assinatura", comentou. "Acho que deixamos coisas bacanas no decorrer da Libertadores. Na minha visão, não merecíamos que tudo fosse encerrado dessa maneira, tão cedo. Poderíamos chegar bem mais longe", disse.

Até o dia 6 de agosto o São Paulo vai disputar mais 15 rodadas pelo Brasileirão. O último jogo nesse cenário seria contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte, no dia 2. Uma rodada antes será a partida de despedida do goleiro no Morumbi, justamente contra o Cruzeiro, algoz da eliminação nos pênaltis na Libertadores, na última quarta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.