José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Rogério Ceni corre para jogar último clássico contra o Corinthians

Goleiro faz tratamento intensivo para estar em campo diante do arquirrival antes da aposentadoria

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

20 Setembro 2014 | 07h00

Enfrentar o Corinthians está longe de ser uma novidade para Rogério Ceni, mas o confronto tem um sabor para lá de especial; com a aposentadoria marcada para o fim do mês, será a sua derradeira oportunidade de encarar o rival mais marcante da carreira e no qual ele marcou seu centésimo gol. Seria também a primeira - e única - chance de jogar na nova casa do Alvinegro pelo São Paulo.

Não à toa, Rogério tem lutado contra o tempo para estar em condições de jogo. Sofrendo com uma tendinite no joelho esquerdo que o tirou do jogo contra o Coritiba no meio de semana, ele tem feito tratamento intensivo em três períodos, mas ainda tem escalação incerta. "Se ele não jogou, é porque devia estar insuportável. Vamos esperá-lo até o último minuto", disse Muricy Ramalho, em tom não tão otimista.

Até aqui, Rogério e Corinthians já se encontraram 63 vezes, com ligeira vantagem do Alvinegro, que venceu 23 vezes. O São Paulo levou a melhor em 20 oportunidades, e o empate prevaleceu outras 20 vezes. Neste período, foi vazado 91 vezes e viu o Tricolor marcar 84 gols, sendo três dele.

Reconhecido por ser um profissional extremamente dedicado, Rogério tem se esforçado ainda mais para jogar o último Majestoso da sua carreira e é justamente sua postura que alimenta as esperanças da comissão técnica que ele conseguirá se recuperar a tempo, mas ninguém se arrisca a garantir seu aproveitamento. "Nem os médicos podem dizer agora", alertou Muricy.

De acordo com a programação do clube, Rogério volta a treinar neste sábado pela manhã caso não sinta dores; se o incômodo voltar, ele será mais uma vez avaliado e continuará o tratamento até horas antes do jogo para tentar se despedir do maior rival.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.