Rubens Chiri|São Paulo
Rubens Chiri|São Paulo

Rogério Ceni desafia o tabu da Copa do Brasil

Clube estreia diante do Moto Club no Maranhão

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2017 | 07h00

O técnico Rogério Ceni se encontra com um tabu na estreia do São Paulo na Copa do Brasil, diante do Moto Club, às 21h30, no Maranhão. Em 25 anos como jogador, nunca venceu o torneio. Como a história recente do treinador se confunde com a do próprio clube, a escrita é a mesma para o São Paulo, que corre atrás do título inédito.

Mesmo assim, Ceni e seus comandados foram tratados como celebridades na chegada ao palco da partida. Na primeira vez em 19 anos que o São Paulo vai jogar no Maranhão, os jogadores ficaram nos braços da torcida. Literalmente. Na madrugada desta quarta-feira, os torcedores praticamente impediram o desembarque da delegação no aeroporto. Uma carreata acompanhou o ônibus até a chegada ao hotel. Ceni foi saudado aos gritos de “Mito”; Rodrigo Caio e Cueva foram agarrados para tirar selfies.

Para a partida de hoje – jogo único que define a classificação à próxima fase –, o São Paulo joga com a vantagem do empate. O vencedor vai medir forças contra PSTC (PR) ou Ypiranga (RS) na segunda fase do torneio. “Nossa preparação é a mesma de todos os jogos. Não tem preocupação por ser jogo único, porque o São Paulo sempre entrar para vencer. O empate é nosso, mas se formos com essa mentalidade podemos perder”, disse o zagueiro Maicon.

A escalação deve ter três mudanças em relação ao time que perdeu para o Audax na estreia do Campeonato Paulista, domingo. Após falhar no primeiro dos quatro gols do adversário, Douglas pode dar lugar a Rodrigo Caio, que atuou como volante e seria escalado como zagueiro. João Schmidt e Araruna seriam os candidatos a fazer dupla de volantes com Thiago Mendes. Cícero também pode atuar no setor. Com a lesão na coxa esquerda de Wellington Nem, desfalque de três a quatro semanas, Neilton virou o favorito a fazer a função pelo lado direito.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.