Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Rogério Ceni e diretoria convenceram Muricy a ficar no São Paulo

Técnico deixa o cargo à disposição para o clube, mas volta atrás

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

27 Março 2015 | 12h33

Um dia depois de se reunir com a direção do São Paulo e colocar o cargo à disposição, o técnico Muricy Ramalho afirmou nesta sexta-feira que vai promover mudanças na equipe titular e contou ter sido convencido a continuar no cargo. O treinador ainda mostra abatimento pela derrota por 3 a 0 para o Palmeiras, mas disse que continua no clube por acreditar na possibilidade da reação.

Muricy se encontrou duas vezes com o vice-presidente de futebol do São Paulo, Ataíde Gil Guerreiro, na quinta-feira. Uma na madrugada, logo depois do jogo, e outra na parte da tarde, em uma reunião que durou uma hora. Em ambas as conversas, deixou o dirigente livre para escolher pela sua saída. "Cheguei aqui ontem (quinta) com a vontade (de deixar o cargo à disposição), aí não sei se felizmente me convenceram, com a ajuda do Rogério. Aí também é coisa de quem é do futebol, de lutar até o final", disse.

O técnico disse ter deixado a diretoria livre para decretar a sua demissão, já que não possui multa rescisória. "Conversei com o Ataíde e deixei livre do compromisso que eles deram que iam ficar comigo até o final do ano. Não gosto disso e não precisava ter esse compromisso", contou.

Em nota oficial publicada há duas semanas, o presidente Carlos Miguel Aidar havia garantido a continuidade do treinador até o fim do ano, quando se encerra o atual vínculo com o São Paulo.

A falta de boas atuações no ano e as três derrotas em clássicos na temporada colocam a equipe sob pressão para reagir e apresentar mudanças. Na quinta-feira, Ataíde prometeu que conversaria individualmente com os jogadores para cobrar e entender o que pode ser feito. Muricy disse desconhecer essa intenção, mas garantiu a realização de alterações. "Vamos ter que mexer no time. Não dá para continuar só assistindo do jeito que está jogando", afirmou.

Na próxima semana a equipe enfrenta o San Lorenzo, na Argentina, em partida decisiva pela Copa Libertadores. A competição é a prioridade do clube no semestre e Muricy garantiu que a permanência dele não está vinculada aos resultados no torneio. "Não ponho data e nem limites. A saída vai acontecer no dia que eu achar. Se for para ficar aqui, do jeito que sou determinado, vai demorar um pouco mais ainda", comentou.

Antes desse confronto pela Libertadores, o São Paulo recebe o Linense, no Morumbi, pelo Campeonato Paulista, no próximo domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.