Rogério Ceni: ´fomos extremamente melhores e merecemos´

Lenílson fez o primeiro e Leandro fechou a vitória por 3 a 1 para cima do Corinthians, mas a tarde deste domingo no Morumbi foi mais uma vez de Rogério Ceni. Não com defesas espetaculares, mas sim por ter feito mais um gol na carreira: o 69.º. E com grande contribuição do amigo Aloísio.O pênalti sofrido pelo atacante, aos 42 minutos, depois de uma lambança do zagueiro Marquinhos, e convertido com precisão pelo goleiro-artilheiro, dois minutos depois, ?matou? o Corinthians. Gol que pôs fim ao jejum de Ceni em 2007, justamente na semana em que seu primeiro gol na carreira completa dez anos - 15 de fevereiro de 1997, contra o União São João.?Temos de ser simples e objetivo: o São Paulo ganhou porque foi melhor?, resumiu o capitão são-paulino. ?Fomos extremamente merecedores do resultado. Dominamos 90% do jogo.? O goleiro fez questão em dar todo o mérito do gol a Aloísio. Tanto que, ainda dentro de campo, presenteou o companheiro com a camisa amarela usada no clássico.?Ele é especial, é parceiro. Sou fã do centroavante com o estilo do Aloísio. É um cara que serve de referência lá na frente, se sacrifica... Falei que ia dar pra ele a camisa do primeiro gol do ano. Ele já tem uma lá na terra dele, em Alagoas, que guardou no projeto social dele, então essa fica pra ele?, explicou.A choradeira do técnico Leão sobre a atitude dos gandulas e dos clássicos sempre serem disputados no Morumbi também chegou aos ouvidos de Ceni. ?Se a Federação liberar o estádio do Corinthians, não vejo problema em jogarmos no Parque São Jorge?, alfinetou. ?E a história do gandula é só para ocupar espaço nos jornais.? Aloísio tem tarde de reiCom grande atuação no clássico, Aloísio deixou o campo ovacionado pela torcida e considerado herói pelos companheiros. Como prêmio, a camisa do goleiro Rogério Ceni, além de um troféu oferecido por uma emissora de rádio. ?É muito bom receber prêmios. E, melhor ainda, elogios do Rogério, o melhor goleiro do Brasil?, discursava feliz e sorridente o atacante. Aloísio ficou em campo por 76 minutos. Até quando agüentou. Com cãibras, pedia para sair aos 29 da fase final. Deu lugar para o meia Hugo, sob aplausos calorosos. Retribuiu o carinho com acenos para a torcida. Sobre o presente de Rogério Ceni, mais sorrisos. ?Que honra. Fico feliz pelo reconhecimento, agradeço de coração, pois ele sempre me deu muita força?, enfatizou.A boa atuação de Aloísio, contudo, não poderá ser presenciada na próxima rodada do Campeonato Paulista - o São Paulo visita o América, sábado, em São José do Rio Preto. Por ser um guerreiro e não desistir de nenhum lance, o atacante exagerou em uma falta e acabou recebendo o terceiro cartão amarelo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.