Maurício Dueñas/EFE
Maurício Dueñas/EFE

Rogério Ceni marca, mas São Paulo perde na Copa Libertadores

Goleiro se torna o maior artilheiro do clube na competição e revive vitória por 2 a 1 do Once Caldas em 2004

André Avelar , estadao.com.br

25 de fevereiro de 2010 | 23h01

Não foi desta vez que o São Paulo afastou o fantasma de Manizales, na Colômbia. Seis anos depois de ser eliminado na semifinal da Copa Libertadores pelo mesmo Once Caldas, o time voltou ao Estádio Palogrande e nesta quinta-feira, 25, perdeu por 2 a 1. A compensar, o fato de Rogério Ceni marcar e se tornar o maior artilheiro do time na competição continental, com 11 gols.

Veja também:

LIBERTADORES - tabelaTabela e classificação

ESPECIAL - especialBrasileiros no topo da América

BLOG BATE-PRONTO: Nem só com técnica se joga uma Copa Libertadores

A partida ainda valia a liderança do Grupo 2, que também teve a vitória do Monterrey (MEX) sobre o Nacional (PAR) por 2 a 1. Mas os colombianos levaram a melhor, somaram seis pontos e garantiram a primeira posição isolada. O time brasileiro manteve a segunda colocação.

 

Com o técnico Ricardo Gomes fora de combate, ainda se recuperando de um problema vascular no cérebro, o auxiliar-técnico Milton Cruz voltou a comandar o time na competição continental. Em 2005, um resultado um pouco melhor: empate também fora de casa, por 1 a 1, com o Universidad de Chile, em Santiago.

 

Além do Once Caldas, o São Paulo teve que driblar também as 13 horas de viagem - entre avião e ônibus - e os 2.500 metros de altitude. Não tinha outra alternativa a não ser cadenciar o jogo no meio-campo. Não foi tão feliz quanto esperava. Hernanes ainda arriscou alguns chutes e Richarlyson caiu o quanto quis, sem que o árbitro chileno Pablo Pozo marcasse falta.

 

 OS 11 GOLS DE ROGÉRIO CENI
11/2/2004 - Alianza Lima (PER) - falta

19/2/2004 - Dep. Táchira (VEN) - falta

9/3/2005 - Univ. De Chile (CHI) - falta

25/5/2005 - Palmeiras - (BRA) - pênalti

1/6/2005 - Tigres - (MEX) - falta

1/6/2005 - Tigres - (MEX) - falta

22/6/2005 - River Plate - (ARG) - pênalti

20/4/2006 - Caracas - (VEN) - pênalti

3/5/2006 - Palmeiras - (BRA) - pênalti

26/7/2006 - Chivas - (MEX) - pênalti

25/2/2010 - Once Caldas - (COL) - falta

HISTÓRICO

Coube a Rogério Ceni brilhar. Aos 33 minutos, o capitão são-paulino cobrou falta da entrada da área e contou com uma ligeira ajuda da barreira, que se desfez, para marcar o seu 88.º gol da carreira. Com mais essa marca, ele se torna agora o maior artilheiro do time na Libertadores com 11 gols - simplesmente ultrapassando Pedro Rocha, Muller e Palinha.

 

Se lá na frente Rogério Ceni resolvia, também fazia sua parte debaixo das traves. Antes do fim do primeiro tempo, o goleiro ainda fez pelo menos duas grandes defesas e garantiu o resultado parcial. Em uma das oportunidades, uma revanche pessoal contra o Moreno, que esteve na semifinal em 2004 e gritou aos quatro cantos o desejo de vazar o goleiro-artilheiro. Mais tarde, ele ainda deixaria o seu.

Mas o Once Caldas ainda não havia perdido em casa pela Libertadores. Nas quatro edições que disputou até agora, foram 17 partidas, com 11 vitórias e seis empates. O técnico Juan Carlos Osório, que acabou expulso do banco de reservas, resolveu tirar um volante e colocar um meia-atacante já na volta para o intervalo. Deu resultado.

 Once Caldas 2
Martínez; Vélez, Vizcarrondo, Henriquez    , Nuñez; Castrillón (Cardenas), Valência, Arias; Uribe (Amaya), Moreno    , Santoya
Técnico: Juan Carlos Osório
 São Paulo 1
Rogério Ceni; Cicinho, Xandão, Miranda, Jorge Wagner; Jean, Richarlyson, Cléber Santana, Hernanes; Marcelinho Paraíba, Washington
Técnico: Milton Cruz
Gols: Rogério Ceni, aos 33 minutos do primeiro tempo. Uribe, aos 4, e Moreno aos 26 minutos da etapa complementar.

Árbitro: Pablo Pozo (CHI)

Estádio: Palogrande, em Manizales, na Colômbia

BOBEIRA

Aos quatro minutos da segunda etapa, o empate. O São Paulo errou uma batida de lateral com Jorge Wagner e Marcelinho Paraíba e Uribe, de cabeça, completar o cruzamento para marcar.

 

A partir daí foi só pressão dos colombianos, que inflaram a torcida. O São Paulo se abateu com o gol sofrido e passou a dar espaços para o time da casa jogar. Teve de tudo um pouco: bola no travessão, chute à queima roupa, bola que cruzou toda a área e o atacante não aproveitou.

 

Mas o pior ainda estava por vir, Moreno, aquele mesmo que havia prometido o gol, deixou o seu. O atacante, que fazia sua reestreia no clube, arrancou pela ponta direita, passou entre Jean e Miranda e chutou cruzado para marcar.

 

O São Paulo ainda tentou se reerguer com a estreia de Rodrigo Souto, que até se apresentou bem, mas já era tarde. Foi a primeira vez que o São Paulo perdeu com Rogério Ceni tendo marcado gol.

 

De volta para casa, o time chega ao Brasil só na manhã de sábado, véspera do jogo contra o Monte Azul, às 17 horas, na Arena Barueri. A partida será válida pela 11.ª rodada do Campeonato Paulista.

Maurício Dueñas/EFE

Rogério Ceni marca seu 88.º gol na carreira e se torna o maior artilheiro do time na Copa Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.