Rogério Ceni não queria bater o pênalti

O goleiro Rogério Ceni não queria bater o pênalti nos minutos iniciais do clássico, quando o placar ainda estava em 0 a 0. Mas recebeu ordens do técnico Paulo Autuori para executar a missão. E o fez com a maestria de sempre: foi o 40º gol na carreira - o sétimo de pênalti -, e o primeiro de uma goleada histórica, que nem o mais confiante dos são-paulinos imaginava. "Foi um pênalti muito bem cobrado, mas confesso que não queria batê-lo, pois quem cobra não tem lucro algum, só o prejuízo de errar", argumentou. "Mas como o Paulo (Autuori) mandou que eu fosse, não tive dúvidas." O goleiro também foi fundamental no segundo gol. Foi dele a cobrança de falta que gerou rebote para o gol de Luizão. Rogério estava feliz da vida. "A vitória foi importante porque tínhamos de somar pontos para não deixar o Santos se distanciar", comentou. Os jogadores do São Paulo procuraram evitar comentar a crise do rival. Mas o lateral Júnior deu sua visão. "Eles não se encontraram em campo." O centroavante Roger, da Ponte Preta, está na mira da diretoria do São Paulo. Existe a possibilidade de o negócio ser acertado ainda nesta semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.