Pedro Chavesce/Fortaleza
Pedro Chavesce/Fortaleza

Rogério Ceni no Cruzeiro: os cinco principais desafios do treinador no novo clube

Ex-goleiro assume cargo na equipe mineira com a missão de evitar o rebaixamento no Campeonato Brasileiro

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

12 de agosto de 2019 | 13h10

O técnico Rogério Ceni inicia nesta terça-feira a passagem como treinador do Cruzeiro cercado de missões difíceis para cumprir. Aos 46 anos e na terceira temporada da carreira como técnico, ele deixa o Fortaleza em busca do desafio de tirar a equipe mineira das últimas posições da tabela. O Estado listou os principais obstáculos que o ex-goleiro terá pela frente no novo time.

1) Resgatar o moral

Ceni vai desembarcar em Belo Horizonte para assumir um time em péssimo momento na temporada. Nos últimos 19 compromissos no ano, o Cruzeiro ganhou somente um, diante do Atlético-MG, pela Copa do Brasil. No Campeonato Brasileiro a situação é ainda pior, com 11 rodadas consecutivas sem vencer. O time celeste está na zona de rebaixamento da competição, passa por situação difícil na Copa do Brasil após perder para o Inter no confronto de ida e sofre com a falta de confiança.

2) Mudar o estilo de jogo

Após três anos no comando do Cruzeiro, Mano Menezes deixou o cargo e terá como substituto um treinador com estilo de jogo bem diferente. A equipe de postura defensiva, marcação forte e proposta de jogar no contra-ataque terá agora um treinador ofensivo e fã do estilo veloz. Rogério Ceni se notabilizou por essas características nos trabalhos anteriores e vai tentar mudar a proposta de jogo da equipe.  

3) Crise nos bastidores

O ex-goleiro chega a um clube com grandes problemas financeiros e de bastidores. Com uma dívida acima de R$ 500 milhões, a diretoria sofre com investigações sobre corrupção. No último mês, a casa do presidente do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá, chegou a receber visitas de policiais em busca de documentos para apurar possíveis crimes como falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Há também imensa pressão política sobre a diretoria, com o pedido para o presidente deixar o cargo.

4) Dirigir um elenco badalado

Depois de trabalhar no São Paulo, onde foi ídolo como jogador, e de resgatar o Fortaleza, ao levar a equipe à Série A, Ceni tem como missão conduzir um plantel renomado. O ex-goleiro vai trabalhar no clube com nomes consagrados como Fábio, Dedé, Thiago Neves e Fred. O objetivo será conseguir administrar os ânimos e implantar o estilo de trabalho rapidamente.

5) Conquistar a torcida

Ceni terá pela segunda vez na carreira a chance de trabalhar em um clube grande do Sudeste do Brasil. O ex-goleiro encara a pressão de conseguir resultados bons e obter o apoio do público cruzeirense. Mesmo após anos de tamanha identificação com o São Paulo e de uma relação ótima com a torcida do Fortaleza, agora a meta é conquistar o mesmo respaldo com o público mineiro. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.