Rogério Ceni pede vergonha ao time

Nem mesmo o temor do técnico Roberto Rojas, que esperava um jogo difícil com o Bahia poderia sugerir aos sãopaulinos um resultado tão desastroso quanto à derrota acachapante por 3 a 0 da noite desta quarta-feira na Fonte Nova. "Foi horroroso, é preciso ter vergonha na cara", resumiu o goleiro Rogério Ceni após a derrota do São Paulo que tornou mais difícil o projeto de sete vitórias até o fim do Campeonato Brasileiro para a equipe ganhar uma das vagas da Libertadores da América. O zagueiro Jean fez coro às palavras do colega. "De fato o time ter uma postura dessas é realmente vergonhoso", comentou fugindo dos repórteres. Menos emotivo o meia Ricardinho embora concordasse que o time teve uma atuação desastrosa, foi pragmático. "Agora é trabalhar para podermos melhorar", disse. "Perdemos o direito de errar daqui para a frente: nós temos que classificar o São Paulo para a Libertadores", acrescentou, pensando no clássico de domingo diante do Corinthians jogo que o São Paulo não poderá contar com o atacante Kleber, que recebeu o terceiro cartão amarelo. O artilheiro Luís Fabiano, cabisbaixo, não quis falar muito. "O momento não é de conversa, é preciso esfriar a cabeça e discutir sobre o que a gente precisa consertar", comentou, achando que o São Paulo não pode "entregar os pontos". Enquanto o técnico do Bahia, Lula Pereira, comemorava o bom resultado que aliviou um pouco a situação do time baiano que luta contra o rebaixamento, no vestiário ao lado Roberto Rojas tinha que conviver com o clima pesado da derrota procurando animar os jogadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.