José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Rogério Ceni quer uma vitória na Argentina para evitar desespero

Goleiro sabe que triunfo nesta quinta contra Arsenal é fundamental para que o time continue com boas chances de avançar para a fase de mata-mata da Libertadores

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

14 de março de 2013 | 08h00

SÃO PAULO - Mesmo fora de casa, Rogério Ceni não aposta em uma postura diferente do Arsenal em relação à partida no Pacaembu, nesta quinta-feira, pela Libertadores. Para o capitão do São Paulo, o time argentino não mudará o esquema, mas isso não significa que o clube brasileiro não tenha condições de voltar com os três pontos na bagagem. “Acho que é um time que joga da mesma maneira, com duas linhas de quatro. É um time muito competitivo e aguerrido. O jogo vai ser parecido com o que foi no Pacaembu. Só espero que o resultado seja melhor para nós”, diz.

Ceni sabe que uma vitória é fundamental para que o São Paulo continue com boas chances de classificação para a fase de mata-mata. “Temos de buscar a vitória para voltar numa melhor situação dentro do grupo. Acho que o time vem conseguindo os resultados no Paulista, mas não na Libertadores. Tecnicamente às vezes a gente não consegue desenvolver as coisas que tem na cabeça”, explica.

Para ele, esse tem sido o maior problema neste início de temporada. “Acho que não falta empenho. É um time que luta muito e o torcedor reconhece isso, mas o torcedor reconhece que não apresentamos uma parte técnica como no ano passado, não rende tanto como rendeu ano passado e eu reconheço isso como torcedor do São Paulo também.”

Outro jogador experiente do elenco tricolor, o zagueiro Lúcio vibra com a possibilidade de fazer seu primeiro jogo fora de casa pela Libertadores. “A equipe está em busca do resultado e espero estar preparado para isso, pois quero dar a minha contribuição para o time. Temos de ir com o pensamento de vencer e somar os três pontos que serão importantes para a classificação”, afirma. Ele até refuta as críticas que aumentaram após o empate sem gols com o Palmeiras, quando ele foi expulso. “Estamos mais tranquilos. Era outra competição e no Paulista temos uma margem de tranquilidade maior. Sabemos que precisamos dos três pontos para ir em busca da classificação na Libertadores”, continua o zagueiro.

PODER OFENSIVO

Sem poder contar com Luis Fabiano, que está suspenso juntamente com o volante Wellington, o ataque do São Paulo será formado por Aloísio, que atuará na função do Fabuloso, como referência dentro da área, e Osvaldo, que entra em campo motivado por sua primeira convocação para a seleção brasileira. “O Luis Fabiano vai fazer falta, mas estamos prontos para dar conta da responsabilidade. É uma decisão, acho que não tem outro resultado a não ser a vitória, então vamos em busca disso. A derrota seria um péssimo resultado”, afirma Osvaldo.

Aloísio também demonstra otimismo. “Vou tentar aproveitar a oportunidade da melhor maneira, acho que tenho essa chance e trazer uma vitória lá vai ser muito importante para o São Paulo. Estou pronto, venho trabalhando para isso e posso fazer essa função em campo”, finaliza. 

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.