Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Rogério Ceni vê São Paulo em situação preocupante e promete enfrentar Palmeiras de cabeça erguida

Técnico vê seu time se aproximar da zona de rebaixamento antes de clássico paulista

Redação, Estadão Conteúdo

14 de novembro de 2021 | 21h01

A derrota por sonoros 4 a 0 diante do Flamengo, na tarde deste domingo, em pleno Morumbi, ligou um sinal de alerta no São Paulo para o duelo diante do Palmeiras, próximo compromisso do clube no Brasileirão. Em caso de novo revés, o time tricolor poderá terminar a rodada dentro da zona de rebaixamento. O técnico Rogério Ceni admitiu que a situação preocupa.

"Eu acho que de maneira geral quando chega numa situação dessas, toda e qualquer circunstância preocupa. Vamos trabalhar, montar um time analisando o Palmeiras, outros rivais, teremos uma semana, mais um jogo difícil. Sequência contra times de primeira parte de tabela. Vendo o grau de dificuldade. Santos, Palmeiras, Flamengo, Corinthians, Internacional, Bragantino. É um momento do campeonato onde a gente enfrenta quem está na frente e melhor do que nós", falou o treinador, em coletiva de imprensa.

Logo quando chegou, Rogério Ceni falava em conquistar uma vaga na próxima edição da Copa Libertadores da América com o São Paulo. Hoje, o foco já é outro. Com a aproximação da zona de rebaixamento, o treinador admitiu que as rodadas finais serão um campeonato à parte para o clube paulista.

"Com tranquilidade não vai acontecer nada. Muito trabalho, sofrimento. Passando sufoco, mas vamos ter que de uma maneira ou outra fazer com que esse time vença. Uma vitória nos ajudaria muito neste momento. Vamos ter que jogar um campeonato à parte, não era o que o torcedor queria, mas temos que enfrentar de cabeça erguida", completou.

Na última terça-feira, o presidente do São Paulo, Julio Casares, chegou a afirmar que o time havia recuperado o espírito vencedor sob o comando do treinador. Cinco dias depois, Rogério Ceni mostrou sinceridade ao questionar a postura de seus atletas dentro de campo, segundo ele, o time tricolor virou uma equipe calada.

"É um time mais calado. Jovens calados. Mais velhos que não têm como característica serem jogadores eloquentes. Time quieto. Estamos tentando desenvolver isso nos jogadores, que falem antes e durante a partida. Quanto mais cantado o jogo for, menos energia você gasta e mais bem posicionado está. É um time calado", concluiu.

O São Paulo vai encontrar o Palmeiras no Allianz na 15ª colocação, com 38 pontos. O Juventude, em 17º, com 36, é o primeiro dentro da zona de rebaixamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.