Rubens Chiri|Divulgação
Rubens Chiri|Divulgação

Rogério entra no segundo tempo e evita derrota do São Paulo

Mesmo sem cinco titulares, tricolor volta do Paraná com empate por 1 a 1 contra o Coritiba, no estádio Couto Pereira

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2016 | 23h49

Mesmo sem cinco titulares, o São Paulo conseguiu fazer um bom jogo contra o Coritiba, no Couto Pereira, nesta quarta-feira, ao até merecer algo melhor  do que o empate em 1 a 1, pelo Campeonato Brasileiro, garantido graças, mais uma vez, ao decisivo Rogério.

O atacante  teve mais um jogo para honrar os rotineiros pedidos da torcida para que entre no segundo tempo. Rogério precisou de cinco minutos em campo para chutar de fora da área e igualar. Conhecido por "Neymar do Nordeste", ele é o jogador dos gols salvadores. 

Ano passado saiu do banco no último jogo do Brasileiro, contra o Goiás, para  fazer o gol que colocou o time na Libertadores. Rogério também  já foi decisivo na equipe na competição deste ano, ao garantir a passagem pela etapa preliminar com a vaga na fase de grupos.

O empate minimizou um prejuízo para quem jogou melhor e poderia voltar de Curitiba com a vitória.

As duas equipes apresentavam limitações antes do jogo. Por ter o clássico com o Palmeiras no domingo, o São Paulo poupou quatro titulares e tinha Hudson machucado. A formação  enfrentou um Coritiba que não tinha  o técnico Gilson Kleina, suspenso. 

O campo com aspecto ruim e a temperatura por volta de 10ºC não fizeram os times ficarem acomodados. O primeiro tempo, aliás, foi bastante movimentado, com boas chances para as duas equipes. O São Paulo teve cinco oportunidades claras, a maioria de fora da área, enquanto o Coritiba, duas. Em uma delas o zagueiro Lucão desviou a bola e se não fosse a trave, teria feito gol contra.

A formação do São Paulo com garotos sub-20 como Auro, Lucas Fernandes e Matheus Reis e mostrou poderio. Todos jogaram com segurança. A exceção foi Lucão, que voltou a dar um recuo tão perigoso para Denis como fez na derrota para o Corinthians, em fevereiro.

Com sustos na defesa e mais presença no ataque, o São Paulo fez o segundo tempo ser ainda mais interessante desde o começo. Centurión teve nos pés a chance de fazer o gol com o goleiro Wilson batido, mas o argentino "passou" da bola, atrapalhou-se com o movimento e deixou a chance escapar.

O momento de "quase gol" fez o time chegar mais vezes, assustar o Coritiba com uma cabeçada no travessão dada por Alan Kardec e fazer Wilson trabalhar bastante. O momento positivo do São Paulo acabou quando o acuado time da casa conseguir marcar.

Alan Santos subiu de cabeça para completar escanteio aos 18 minutos e abrir o placar. O risco já era previsível e nem assim conseguiu ser evitado. Foi em cruzamentos que o São Paulo sofreu nove dos 11 gols na Copa Libertadores.

A desvantagem era injusta pela boa atuação do São Paulo. O time logo teve duas alterações, uma delas decisiva para o resultado. Rogério  foi acionado e deixou o placar final com  números mais adequados ao que foi a partida no Couto Pereira.

FICHA TÉCNICA

CORITIBA X SÃO PAULO

CORITIBA (4-4-2): Wilson; Ceará, Rafael Marques, Juninho e Carlinhos; João Paulo (Thiago Lopes), Alan Santos, Juan e Cesar González (Leandro); Vinícius (Negueba) e Kléber.

Técnico: Gilson Kleina.

SÃO PAULO (4-2-3-1): Denis; Auro (Rogério), Maicon, Lucão e Matheus Reis; Thiago Mendes e Wesley; Kelvin (Bruno), Lucas Fernandes (Ytalo) e Centurión; Alan Kardec.

Técnico: Edgardo Bauza. 

Gols: Alan Santos, aos 18, e Rogério, aos 34 minutos do 2º tempo.

Juiz: Marielson Alves (BA).

Cartões amarelos: João Paulo, Negueba, Maicon e Thiago Mendes. 

Público: 9.979 pagantes

Renda: R$ 264.030,00.

Local: Couto Pereira, em Curitiba (PR). 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.