Rogério fez a diferença no Corinthians

O lateral-direito Rogério não fez nenhum gol, mas ele foi o jogador mais importante do Corinthians na vitória sobre o Botafogo por 3 a 1, neste domingo, no Morumbi. Dos seus cruzamentos, em cobrança de escanteio, a equipe marcou os dois primeiros gols sobre o adversário. "É o resultado de um trabalho que estou fazendo no Corinthians, treinando cobrança de escanteio e falta", disse Rogério, que fez os cruzamentos dos dois gols com o pé trocado, na esquerda. "Já estou me entrosando com Fábio Luciano e Scheidt nos escanteios. Eu ponho a bola entre a zaga e o goleiro, para que eles possam vir de trás. Os dois têm condições de ganhar a jogada, porque ambos, na corrida, têm mais impulsão do que os adversários." Rogério lembrou que quando chegou ao Corinthians, no início do segundo semestre do ano passado, após vencer uma batalha jurídica contra o Palmeiras, para ganhar a liberação do contrato, decidiu trocar de posição, deixando de ser médio-volante para atuar na lateral direita. A justificativa de Rogério tinha um objetivo: ser convocado para a seleção e disputar a Copa do Mundo, alegando que no futebol brasileiro há poucos candidatos para disputar a posição para Cafu. No domingo, diante de tantos elogios pelas ultimas atuações, Rogério admitiu que suas chances de disputar a Copa são remotas. "Se eu tivesse jogado desse jeito de uns três meses para cá, acho que eu teria condição de ser convocado. Mas, como o treinador (Luiz Felipe Scolari, com que trabalhou no Palmeiras) até agora não me chamou será difícil eu ser chamado por ele", afirmou Rogério. "De qualquer forma, não posso me acomodar e estou à disposição, porque me considero agora na condição técnica e física ideal." O técnico Carlos Alberto Parreira disse que o jogo teve dois tempos distintos. No primeiro, o Botafogo armou uma retranca muito forte, e estava difícil para o Corinthians se impor em campo. "Eles formaram uma barreira de nove jogadores na intermediária. Assim, estava mesmo difícil. Mas no segundo, nossa equipe conseguiu furar esse bloqueio e se impôs em campo", afirmou Parreira, que comemorou a vice-liderança na competição. "Quando se ganha, tudo ajuda", ressaltou ao lembrar que o Corinthians foi beneficiado pela derrota do São Paulo diante do São Caetano. A dupla de zaga Fábio Luciano e Scheidt estava eufórica com os dois gols marcados. Os zagueiros afirmaram que está dando certo o esquema de subirem ao mesmo tempo para tentar completar os cruzamentos sobre a área adversária. Além dos gols, eles anularam o artilheiro Dodô. "Mas o importante mesmo foram os três pontos. O time está agora perto da classificação", disse Scheidt. No lado do Botafogo, a reclamação da diretoria e do técnico Abel Braga era contra a atuação do juiz mineiro Alicio Pena Junior. "Ele deu aquele pênalti, como o Corinthians perdeu, na seqüência marcou uma falta técnica contra minha equipe na nossa área", desabafou Abel Braga, que, no entanto, não tirou os méritos da vitória do adversário. "O Corinthians realmente foi melhor, e não contesto a derrota, só acho que o juiz nos prejudicou."

Agencia Estado,

24 Março 2002 | 19h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.