Rogério iguala marca de Waldir Peres

O São Paulo tem obrigação de vencer o São Caetano, neste sábado, a partir das 18h10, no Morumbi, se quiser continuar sonhando com o título brasileiro. O time está dez pontos atrás do líder, a Ponte Preta, e Paulo Autuori espera terminar o turno com menos de seis pontos de diferença. "Quero me aproximar bastante do líder e temos de cumprir metas. Nós queríamos ganhar nove pontos em três jogos, mas como empatamos com o Brasiliense, agora só nos resta fazer sete", disse o treinador. Ele não quer falar muito sobre os pontos perdidos no final de cada partida. "Acho que há uma dramatização muito grande de vocês. Não perdemos pontos assim na Libertadores e aconteceu agora duas vezes no Brasileiro. Vamos nos posicionar melhor, prestar mais atenção, mas é só isso, não precisa fazer um drama." A partida será especial para o goleiro Rogério Ceni, que igualará a marca de Waldir Peres como o jogador que mais vezes atuou pelo São Paulo. São 617 partidas. Para homenagear o goleiro dos anos 70 e 80, Ceni utilizará um novo uniforme, repetindo o que fez quando completou 515 jogos, igualando-se ao mítico Poy, que atuou no São Paulo entre 1948 e 1962. O jogo deste sábado, por motivos bem diferentes, também é especial para o volante Mineiro. Ele defendia o São Caetano em 27 de outubro do ano passado, quando, numa partida contra o São Paulo, o zagueiro Serginho morreu em campo, vítima de ataque cardíaco. "Foi um dia muito triste, que nunca vamos esquecer. Agora é uma situação muito diferente, mas não vamos ficar lembrando o que passou e sim lutar para vencer", disse. O São Paulo está iniciando uma pequena reformulação em seu elenco. Michel está mesmo fora. Juvenal Juvêncio, diretor de futebol, pediu para que o lateral não seja mais escalado para que não complete seis partidas, o que impediria sua transferência para outro clube. Vélber vai sair. Há a possibilidade do futebol japonês, mas ele pode também se transferir para o Santo André, como parte da negociação com Richarlyson. Daniel Rossi, volante, deve acompanhá-lo. A diretoria resolveu engrossar a negociação com o goleiro Roger. "Ele ganha R$ 60 mil por mês e só sai se nos pagarem R$ 1 milhão, que é a multa", diz Juvenal. A negociação com Júnior também está adiantada. "Está batendo na trave", diz o lateral, que tem contrato até o final do próximo mês. "Acho que vai dar certo e vou continuar aqui", terminou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.