Roma tenta manter legião brasileira

A Roma está disposta a manter a base brasileira por mais tempo. A diretoria da atual campeã italiana anunciou nesta terça-feira ter "praticamente" chegado a acordo para estender o contrato de Cafu até 2005. Ao mesmo tempo, apresentou nova proposta de renovação para Antonio Carlos. O clube espera definir a situação de ambos ainda durante a semana. Aldair, Marcos Assunção, Émerson e Lima, os outros integrantes da legião verde-amarela do time, têm compromisso em vigência.O caso mais delicado é o de Antonio Carlos. O zagueiro havia pedido renovação por dois anos por quantia que, em princípio, os dirigentes consideram fora de propósito (falou-se em US$ 4 milhões para o período). Além disso, estavam dispostos a chegar a entendimento só por mais uma temporada. O presidente Franco Sensi irritou-se e, em entrevista a uma emissora de rádio romana, sugeriu que o atleta poderia ir embora, se preferisse.A polêmica parecia enveredar por beco sem saída até que surgiu oferta conciliatória nesta terça-feira. O diretor de futebol Fabrizio Lucchesi procurou Antonio Carlos e disse que o clube aceitava a sugestão de prorrogar contrato por dois anos, mas por valores mais baixos (extra-oficialmente seriam R$ 280 mil mensais). O zagueiro ficou de responder e se concentrou para o jogo de quarta contra o Brescia, pela Copa Itália. O técnico Fabio Capello também interveio, ao afirmar que atleta e cartola não deveriam discutir "certos assuntos" em público.O acerto com Cafu parece menos complicado. O lateral tem muito prestígio com a torcida e há interesse de que o contrato seja revalidado. Mas há "aspectos" a serem definidos, segundo a assessoria da Roma. Detalhes que se referem a pendências financeiras do clube com o brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.