Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Romarinho considera que se adaptou rápido como meia no Corinthians

Jogador está atuando de meia-atacante, fazendo a ligação com os homens de frente

Vítor Marques, Agência Estado

11 de abril de 2013 | 18h08

SÃO PAULO - Destaque da vitória do Corinthians sobre o San José (Bolívia), na noite da última quarta-feira, Romarinho acredita que se adaptou rápido à nova função dele no time. Agora o herói do título da Libertadores passada atua como meia-atacante, fazendo a ligação com os homens de frente. Ele ocupa o lugar de Renato Augusto, que está machucado.

"Eu me adaptei o mais rápido possível a essa função. Ele (Tite) vem me utilizando de meia, às vezes de atacante, eu procuro fazer minha parte", comentou o atacante, nesta quinta-feira. Romarinho lembrou, porém, que esta não é uma experiência totalmente nova para ele. "Fazia tempo que não jogava assim. Eu atuei na base, mas fazia tempo que não jogava de meia. Jogar bola a gente sabe, agora tem que pegar confiança."

O atacante, que descreveu Tite como "um pai" para ele, acredita que tem estrela. Depois de se destacar na final da Libertadores, quando entrou no segundo tempo para marcar o gol corintiano na Bombonera, Romarinho voltou a jogar em alto nível agora, quando o torneio continental se aproxima dos mata-matas. "Ela (luz) às vezes apaga, mas na hora certa ela brilha. É Deus, venho brilhando na hora certa. Tenho que aproveitar e abraçar."

E exatamente por conta do bom momento dele, de Emerson e de Guerrero, é que o Corinthians tem no banco de reservas Alexandre Pato, por quem a diretoria pagou 15 milhões de euros ao Milan. Romarinho admite que ver o atacante da seleção no banco assusta. "Todo mundo fica preocupado. Olha e vê Pato no banco: 'Que é isso?'. Mas o importante é que temos um excelente grupo. Tem o Pato, o Jorge Henrique, então quem está jogando não pode dar brecha", observou.

Romarinho também comentou sobre o futuro do Corinthians na Libertadores e surpreendeu dizendo que quer enfrentar o Palmeiras, algoz do clube alvinegro em duas edições, e principal vítima de seus gols. "Tomara que a gente pegue o Palmeiras. Estamos preparados. Não importa o adversário, a gente vai trabalhar para chegarmos até a final."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.