Eduardo Duzek/Estadão
Eduardo Duzek/Estadão

Romário justifica pedido de quebra do sigilo de Del Nero

Investigação nos EUA é motivo principal, dirá senador ao STJ

O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2015 | 16h40

O senador Romário (PSB-RJ), presidente da CPI do Futebol, pretende entregar ao Supremo Tribunal Federal (STF) até o início da noite a justificativa para o pedido de quebra do sigilo bancário e fiscal do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero.E, entre outros fatos, vai dizer que o fato de, na investigação em curso nos Estados Unidos sobre a cobrança de propina envolvendo integrantes da Fifa em contratos comerciais e de marketing, haver indícios de envolvimento do dirigente, torna necessária a quebra. Del Nero recorreu ao STF para tentar evitar ter suas contas e dados fiscais examinados. 

 A quebra foi aprovada na semana passada pela CPI e na quarta-feira o advogado de Del Nero, Carlos Eduardo Caputo, entrou com o pedido de cancelamento da decisão dos senadores. Entao, o ministro Edson Fachin deu a Romário prazo de 24 horas - que termina às 20 horas desta quinta-feira - para que justifique a necessidade de verificação da movimentação bancária e fiscal do presidente da CBF.

Romário deixará claro que o período que a CPI quer apreciar está relacionado à atuação de Del Nero na CBF, como vice-presidente de José Maria Marin e também à sua própria atuação como presidente. Esse período vai de 12 de março de 2012, quando Marin assumiu com a renúncia de Ricardo Teixeira, a 27 de maio de 2015. Nesse dia Marin foi preso na Suíça e Del Nero já exercia a presidência da entidade brasileira, que assumiu em abril.

O senador explicará também na fundamentação que na investigação conduzida pelo FBI há indícios de que Del Nero pode ser o conspirador 12 - o presidente da CBF tem negado veementemente.  

a

Mais conteúdo sobre:
RomárioFifaCBFDel Nero

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.