Reprodução
Reprodução

Romário: 'Aquele falastrão levou hoje um chute no traseiro'

Senador celebra 'demissão' de Jerome Valcke na Fifa

O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2015 | 20h15

O senador Romário (PSB-RJ) comemorou a o afastamento de Jerome Valcke do cargo de Secretário-Geral da Fifa. Em sua página no Facebook, o ex-jogador chamou o cartola de "corrupto" e "chantagista" após as denúncias de que Valcke teria recebido quase R$ 9 milhões com a venda ilegal de ingressos na Copa do Mundo. O "Baixinho" ainda lembrou da polêmica frase dada por Valcke criticando as obras da Copa do Mundo no Brasil. "Aquele falastrão, corrupto e chantagista do secretário da FIFA, Jerome Valcke, levou hoje um chute no traseiro."

VEJA O QUE DISSE O BAIXINHO NAS REDES SOCIAIS

"Essa é por todos os brasileiros. Aquele falastrão, corrupto e chantagista do secretário da FIFA, Jerome Valcke, levou hoje um chute no traseiro. Ele foi o interlocutor do Brasil com o FIFA durante a preparação da Copa do Mundo de 2014. Aturamos a arrogância desse bandido, embora eu tenha me manifestado várias vezes para que o Governo tomasse uma atitude energética e não aceitasse esse cara como interlocutor. Ele chegou a dizer que o Brasil deveria levar um 'chute no traseiro', por causa dos atrasos.

Hoje ganharam as manchetes de jornal as denúncias de que Valcke ficava com parte do dinheiro de ingressos da Copa do Mundo de 2014. Ele teria lucrado 2 milhões de euros (cerca de R$ 9 milhões), em acordos firmados para ficar com 50% dos lucros da venda dos bilhetes no Brasil.

O empresário que acusou Valcke, Benny Alon, também revelou que 8,3 mil entradas para a Copa desapareceram e que teriam que ser vendidas por Valcke.

Não que a FIFA seja um exemplo para demitir Valcke, eles deveriam se auto implodir e começar do zero. Mas a queda do Valcke, por causa deste escândalo de ingresso, reforça ainda mais a importância da CPI do Futebol."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.