Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Romário consegue prorrogar CPI: 'Más notícias para Del Nero'

Senador mantém CPI do Futebol ativa por mais seis meses

Estadão Conteúdo

11 Novembro 2015 | 20h24

Os senadores Romário (PSB-RJ) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) anunciaram no início da noite desta quarta-feira terem conseguido as 35 assinaturas necessárias para prorrogar por mais seis meses os trabalhos do CPI do Futebol, que deveria ser concluída no próximo dia 22 de dezembro. Na quinta, as assinaturas deverão ser checadas para que a prorrogação seja homologada pelo Senado.

"Eu e o senador Randolfe Rodrigues acabamos de conseguir 35 assinaturas para a prorrogação da CPI do Futebol. Recebemos várias informações que comprovam todo sistema corrupto do futebol brasileiro, onde a CBF é a cabeça de tudo isso. Logo, não podemos encerrar o trabalho de investigação tão promissora. São más notícias para o presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Marco Polo Del Nero, que ficará mais alguns meses sem poder sair do País", escreveu Romário nas redes sociais.

Mais cedo, foi adiada por falta de quorum a sessão da CPI que votaria 23 requerimentos (sendo 10 deles secretos) que pedem o demonstrativo de resultados e lucros e a quebra dos sigilos bancário e fiscal do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo de 2014 e de pessoas e empresas ligadas à CBF e a seus dirigentes.

A reunião foi adiada para a próxima semana a pedido de um grupo de senadores ligados a Romero Jucá (PMDB-RR), aliado da CBF. De acordo com Romário, os senadores Romero Jucá, João Alberto (Souza, PMDB-MA), Fernando Collor (PTB-AL), Gladson Cameli (PP-AC), Davi Alcolumbre (DEM-AP) e Donizeti Nogueira (PT-TO) pediram acesso aos documentos da investigação.

"Há graves indícios de irregularidades no COL. Também há entre os requerimentos o pedido de quebra de sigilo telefônico e de e-mail do atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, e do ex-presidente preso, José Maria Marin, entre outros requerimentos. Posso afirmar que os fatos que descobrimos são bem piores do que imaginávamos. Encontramos indícios de muita corrupção e enriquecimento ilícito", garante o senador do PSB.

"Encontramos o fio da meada do esquema criminoso que, lamentavelmente, dirige o futebol brasileiro. Diante disso, temos que puxar o restante do novelo. Obviamente vamos precisar de mais prazo. Não tenho dúvida que os demais colegas apoiarão", completou Randolfe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.