Romário e Roberto Carlos não se falam

O primeiro treina da seleção brasileira no Estádio Jalisco, para o amistoso contra o México na quarta-feira, mostrou que o ainda existe um ressentimento entre o atacante Romário e o lateral Roberto Carlos. O jogador do Real Madrid foi o primeiro a aparecer na saída do túnel e entrar em campo. Romário, o último. Os dois nem se olham durante o aquecimento. Na hora de um rápido bate-bola, cada um para o seu lado.O reencontro de dois ídolos do futebol, depois de quase três anos, não foi nada afável. Pelo contrário. Desde 1998, eles vêm trocando ofensas e acusações. Nesta segunda-feira, utilizaram alguma diplomacia, pareciam constrangidos, mas não deixaram dúvidas: nem a seleção os unirá. "Nunca fomos amigos e não somos obrigados a ser amigos só porque trabalhamos juntos", afirmou Romário. Visivelmente preocupado em não deixar algumas palavras indesejadas escaparem, o lateral falou pouco do assunto. "Não quero falar sobre isso; o Romário é um companheiro de time e, se tiver de passar a bola para ele, vou fazer sem nenhum problema." O rompimento da amizade entre os atletas ocorreu pouco antes da Copa do Mundo da França. Romário foi cortado do grupo por causa de uma contusão. A maioria dos torcedores se revoltou contra a atitude tomada pelo técnico Zagallo, à época na seleção brasileira. Roberto Carlos, no entanto, disse que os atletas continuariam trabalhando normalmente, dando a entender que o atacante não faria falta.Romário então começou a atacar. No fim do ano passado, o ´Baxinho´ afirmou ter cinco inimigos no futebol (releia a entrevista). Um deles é o lateral do Real Madrid. A última vez que os dois vestiram juntos a camisa da seleção foi em abril de 98, na derrota para a Argentina por 1 a 0, em amistoso realizado no Maracanã. Desde então, Romário se afastou da equipe nacional e só retornou ao time contra a Bolívia, em setembro do ano passado, pelas eliminatórias. Curiosamente, a última partida de Roberto Carlos havia sido um mês antes, contra o Chile, em Santiago. O jogador disse que não estava mais sendo convocado porque o atacante não o queria no grupo.O técnico Emerson Leão está seguro de que o relacionamento nada amistoso entre os dois não vai prejudicar o desempenho da equipe. Tanto que já confirmou Roberto Carlos como titular na partida de amanhã, no lugar de Silvinho. "Aqui nós temos uma relação de trabalho e a necessidade de nos dedicarmos à seleção; essa é a obrigação de todos", limitou-se a comentar.O meia Rivaldo, que disputará o primeiro jogo pela seleção em 2001, ainda acredita que a amizade entre os dois pode ser reatada. "Eles são pessoas adultas e sabem o que é melhor para cada um; pouco a pouco vão conversando e se entendendo". Entusiasmado com o retorno à seleção, Roberto Carlos espera não sair mais do time e esquecer os problemas do ano passado. Estava em campo nas derrotas contra Chile por 3 a 0 e Paraguai por 2 a 1 e não conseguiu atuar bem na maioria das partidas. Pelo Real Madrid, segue tendo bom desempenho. "Estava com muita saudade da seleção, que é a coisa mais importante para o jogador."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.