Reprodução
Reprodução

Romário mantém críticas às convocações e dispara contra Gilmar

'Sou Senador legitimado por quase 5 milhões de pessoas, enquanto ele foi indicado por uma entidade corrupta', escreveu o Baixinho

O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2015 | 12h33

O senador e ex-jogador Romário respondeu às declarações do coordenador técnico da seleção brasileira, Gilmar Rinaldi, e do técnico Dunga, que disseram, em entrevista ao programa Bem, Amigos!, da SporTV, que vão entrar na Justiça contra o Baixinho. Romário não aceitou as críticas feitas por Rinaldi e bateu pesado no colega do tetra. Romário, que escreveu um longo texto nas redes sociais, manteve o que disse sobre os interesses que existem nas convocações da seleção brasileira e citou reportagem publicada pelo Estado.

"Estão me pedindo provas, não preciso ir muito longe, o jornal O Estado de S. Paulo tornou público um contrato da CBF com a empresa a ISE para a realização de amistosos da Seleção Brasileira", escreveu Romário.

Durante o programa na noite desta segunda-feira, Dunga disse que Romário dispara para "todos os lados" e que ele teria de "trazer os fatos" que comprovariam irregularidades na convocações do time. Rinaldi ainda desafio Romário a abrir seu sigilo bancário e disse que se o senador fizesse isso, ele também mostraria suas contas.

Romário não gostou e foi duro com os colegas da conquista do tetracampeonato mundial pelo Brasil, em 1994: "Sobre mim não pesam suspeitas", escreveu o senador, que também criticou a carreira de empresário de Gilmar antes de assumir o cargo na seleção. "Gilmar Rinaldi tem de se colocar no lugar dele. Sou senador da República, legitimado por quase 5 milhões de pessoas, enquanto ele foi indicado para um cargo em uma entidade corrupta depois de ter sido um jogador e empresário medíocre." 

LEIA NOTA PUBLICADA POR ROMÁRIO NO FACEBOOK

Na última semana, concedi uma entrevista ao jornal italiano Gazetta Dello Sport. Fiz duras críticas à convocação de jogadores na Seleção e mantenho minha posição. As convocações têm sido motivadas por forte interesse financeiro.

Estão me pedindo provas, não preciso ir muito longe, o jornal O Estado de S. Paulo tornou público um contrato da CBF com a empresa a ISE, para a realização de amistosos da Seleção Brasileira. Está explícito no contrato que a lista de jogadores convocados atende a critérios estabelecidos pelos parceiros comerciais e qualquer substituição precisa ser realizada em "mútuo acordo" entre CBF e empresários. O contrato deixa claro: o jogador que substituir um "titular" precisa ter o mesmo "valor de marketing'' do substituído.

Onde ficam os critérios técnicos?

Quem define quais jogadores convocados? O técnico ou os parceiros comerciais?

Sobre Gilmar Rinaldi, tenho todo direito de afirmar que ele não deveria ocupar o cargo de coordenador da seleção brasileira. Até um dia antes dele ser anunciado para a função, Gilmar Rinaldi era empresário de jogador de futebol. Não acredito na isenção dele para o cargo. Ontem, em um programa de TV, ele afirmou que abriria o sigilo bancário dele se eu abrisse mão da minha “imunidade parlamentar” e abrisse minhas contas. Cabe esclarecer diante da total ignorância deste senhor sobre a imunidade parlamentar. A Constituição Brasileira preconiza em seu artigo Art. 53:

“Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos”.

Ou seja, imunidade parlamentar não tem nenhuma relação com a abertura do meu sigilo bancário. Sobre mim não pesa nenhuma suspeita.

Gilmar Rinaldi tem que se colocar no lugar dele. Sou senador da República, legitimado por quase 5 milhões de pessoas, enquanto ele foi indicado para um cargo em uma entidade corrupta depois de ter sido um jogador e empresário medíocre. Ele só ocupa o cargo de coordenador da seleção porque foi indicado por pessoas como José Maria Marin, que está preso na Suíça, e Marco Polo Del Nero, outro alvo do FBI. Ele tem que desafiar seus iguais, pessoas iguais a ele.

Descrição da Imagem ‪#‎PraCegoVer‬: fotografia de perfil de Romário sério seguido um balão de diálogo que reprodruz um trecho da nota. Na parte destacada, está escrito "Gilmar Rinaldi tem que se colocar no lugar dele".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.