Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Romário pode rescindir com o Fluminense

O presidente do Fluminense, David Fischel, deixou claro hoje, após a derrota do time para o Goiás no Campeonato Brasileiro, que "no momento, hierarquicamente, a prioridade do clube é o técnico Alexandre Gama e não o atacante Romário. O dirigente disse ainda que, caso não haja clima para que o treinador e o jogador permaneçam juntos no Tricolor, a tendência é a de que o artilheiro rescinda o contrato. Romário e Gama discutiram durante a semana e o atleta somente entrou em campo como titular por causa de um pedido do dirigente. "Era um jogo decisivo e não poderíamos prescindir de um jogador como o Romário. Ele já vinha treinando e por isso pedi ao Gama que reconsiderasse a sua decisão de não escalá-lo", afirmou Fischel. Segundo ele, não houve uma imposição para que o atacante fosse relacionado como titular. "Agi de forma consciente. Foi apenas um pedido. O treinador fez algumas ponderações e chegamos em um acordo." Antes de Fischel entrar no vestiário para conversar com a imprensa, o técnico Alexandre Gama revelara o pedido feito pelo presidente. "Cedi em consideração ao clube onde fui criado e pelo qual tenho grande carinho. E não por medo de perder o emprego. Mas isso nunca mais vai acontecer na minha carreira", disse o treinador. "Me senti usado. É algo totalmente fora do que eu penso." Visivelmente emocionado, Gama afirmou categoricamente que o problema com Romário afetou a concentração do Fluminense para a partida. "Aconteceu no momento errado. Mas como ele (Romário) mesmo diz ?quem tem boca fala o que quer?", prosseguiu. Sobre a substituição do atacante logo no início do segundo tempo, o treinador foi enfático. "Ele é um jogador como outro qualquer e por isso foi substituído."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.