Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Romário só entra em campo contra o Gama se tiver pênalti

Os dois gols que faltam para Romário chegar ao milésimo transformaram o confronto de quarta, contra o Gama, pela Copa do Brasil em um mero detalhe para o Vasco. A festa pelo feito histórico está toda programada para o domingo, no Maracanã, quando os vascaínos enfrentarão o arquiinimigo Flamengo, pelo segundo turno do Campeonato Carioca. Nas ruas, o sentimento é de apoio ao artilheiro, mas também de gozação. E, na Gávea, o assunto foi proibido. Romário tem se esforçado para chegar logo ao feito e nesta segunda surpreendeu ao aparecer para treinar em São Januário. Com a atitude, o artilheiro quebrou a rotina, porque sempre na segunda-feira realiza um trabalho regenerativo, no condomínio onde mora, na Barra da Tijuca. Sem esconder o desejo de marcar contra o Flamengo, afirmou que vai a Brasília para ficar no banco de reservas e, quanto a marcar gols, o artilheiro só deverá entrar em campo em caso de uma cobrança de pênalti. Na capital federal, Romário terá um outro compromisso importante: aproveitar o dia para participar no Senado, da cerimônia pelo dia Mundial de Síndrome de Down. A filha caçula do artilheiro, Ivy, de 2 anos, nasceu com a alteração genética. ?Fazer gol é especial em qualquer situação. E fazer o gol mil em um clube de tradição como o Flamengo é uma honra e orgulho, se isso acontecer. Vou ficar feliz e tenho a certeza de que toda a família rubro-negra também vai ficar?, afirmou Romário. ?Como profissional e com a minha história, acho que até para o mundo, fazer o milésimo gol no mesmo campo, onde Pelé fez o seu, é orgulho para todos.? Pelas ruas do Rio, o assunto é uma constante entre os amantes do futebol. Os torcedores vascaínos debocham dos rubro-negros assegurando que o Flamengo entrará para a história como o clube que levou o gol mil de Romário. Já os flamenguistas, apoiado por tricolores e botafoguenses, ironizam a contagem feita pelo artilheiro, que computou até gols marcados pela categoria infantil do Olaria, onde iniciou a carreira. O goleiro Bruno, do Flamengo, afirmou não querer nem saber de levar o milésimo gol de Romário. O jogador tem a intenção de entrar para a história como aquele que impediu o artilheiro de chegar ao feito. Na Gávea, o assunto foi proibido pelo vice-presidente de Futebol Kléber Leite, que quer o time concentrado para a confronto de quarta, contra o Paraná, pela Copa Libertadores. Alheio aos comentários, a língua de Romário continua afiada. Lembrou dos críticos que há muito pedem pelo término de sua carreira e pediu a todos, neste momento, união na celebração do feito. ?Estou vivendo um grande momento e há alguns anos já era para ter parado, principalmente, para alguns que achavam que eu já tinha morrido?, disse Romário. ?Acho que é o momento de todo mundo abraçar uma causa legal, vamos começar a pensar positivo que vai ser importante não só para mim, mas também para o Brasil que terá o segundo jogador da história a atingir os mil gols. E isso é importante para todo mundo até pelo momento que a gente está vivendo, cheio de violência, insegurança.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.