Romênia convida ex-jogador Hagi para assumir seleção

A Federação Romena de Futebol, próxima adversária do Brasil, fez, neste domingo, um convite público para que o mais importante jogador de sua história, Gheorghe Hagi, assuma aquela seleção. Técnico da equipe até a última sexta-feira, Razvan Lucescu pediu demissão em caráter irrevogável após a vitória sobre a Bósnia, por 3 a 0. O assistente Stefan Iovan comanda a Romênia interinamente no amistoso de terça-feira, no Pacaembu.

AE, Agência Estado

05 de junho de 2011 | 20h59

De acordo com o comunicado assinado pelo presidente da Federação, Mircea Sandu, o ex-jogador já recebeu o convite em uma conversa na sexta-feira e tem até o dia 13 de junho para dizer se aceita a proposta.

O projeto apresentado a Hagi não é tão ambicioso. A meta é que a seleção romena se classifique para a Eurocopa de 2016, ignorando as possibilidades de disputar a Copa do Mundo de 2014 e até mesmo a próxima Euro. Nas Eliminatórias, a Romênia é terceira colocada do grupo D, com oito pontos, e concorre com a Bielo-Rússia, que tem nove, para disputar a repescagem contra o segundo colocado de outra chave.

Hagi, de 46 anos, já treinou a seleção da Romênia em 2001, mas não conseguiu classificar a equipe para a Copa de 2002, perdendo na repescagem para a Eslováquia. Na ocasião, ele estreava como treinador. Seguiu carreira e seu último clube foi o Galatasaray, da Turquia, de onde foi demitido em março deste ano.

Com Hagi como jogador, a Romênia viveu o melhor momento da história do seu futebol, chegando às quartas de final da Copa do Mundo de 1994, eliminando a Argentina de Maradona nas oitavas. Ele deixou o futebol em 2001.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolRomêniaHagi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.