Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Romero afirma que respeita o Santos e reclama de tratamento aos estrangeiros

Em pronunciamento, atacante negou ter dito que o rival era time pequeno, mas reclamou da mídia

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

06 Março 2018 | 17h41

O atacante Romero, do Corinthians, afirmou nesta terça-feira que não quis dizer que o Santos era um time pequeno em sua história e se referia apenas sobre o resultado da partida no Pacaembu (empate por 1 a 1). O Corinthians vencia por 1 a 0, gol de Renê Junior, e o time da Vila Belmiro empatou a partida no final do jogo. O jogador preferiu falar em espanhol para não ter problemas de interpretação.

+ Santos e Corinthians empatam por 1 a 1 no clássico

“Nunca falei pela grandeza do Santos, nunca disse que Santos não tinha história, como escutei. Nunca disse que Santos não tem troféu. Só disse pelo que aconteceu dentro da partida. Como vocês jornalistas disseram que foi uma das melhores partidas do campeonato, eu disse que uma partida dessa grandeza comemorar o empate... Só disse por esse jogo. Em nenhum momento disse que o Santos não tinha história, não teve Pelé, não teve Neymar e não teve Robinho. Vou repetir para que não me entendam mal”, afirmou o atacante em pronunciamento na tarde desta terça-feira no CT Joaquim Grava.

Por outro lado, o jogador reclamou das críticas da mídia que, segundo ele, são dirigidas aos jogadores estrangeiros. “Vi que a maioria dos jornalistas, não digo a torcida do Santos, se sentiram ofendidos. Por isso vi que muitos jornalistas são santistas. Mas queria deixar claro que assim como vocês se sentiram ofendidos, eu estou há quatro anos aqui no Brasil e, nas vezes que vocês me criticam dentro de campo, aceito, eu gosto das críticas para obviamente melhorar. Mas quando vocês falam da minha nacionalidade, do meu país, de onde eu nasci e da onde minha família é, aí eu não vou permitir. É extracampo”, afirmou o paraguaio.

"Eu supostamente ofendi um clube, que é o Santos. E vocês estão, na maioria, insultando um país, que é diferente. É totalmente diferente de um clube, que é parte do futebol, tem esse folclore do futebol tratar que uma equipe que é menor. Mas se tratando do país é outra coisa. Não digo que agora que passou isso. Faz quatro anos que estou aqui. Não é só aqui no Corinthians que tem essa situação, não é só comigo, Kazim e Balbuena, e sim com outros estrangeiros que vêm jogar aqui no Brasil. Acho que tem que ter mais respeito com jogadores que vêm jogar aqui”, reclamou o jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.