Ronaldinho diz que cansou no 2º tempo

Ronaldinho Gaúcho gastou tudo o que tinha direito no primeiro tempo. Quase resolveu o jogo. No segundo, sem fôlego, parou. Saiu da partida certo de que foi a sua melhor exibição até aqui na Copa das Confederações. Atribuiu o sucesso à liberdade que recebeu de Parreira para comandar a Seleação contra o Japão, hoje, em Colônia. Agora só quer dormir. "Não posso garantir que foi a minha melhor partida. Posso afirmar que tive mais liberdade do que nos outros jogos. Os volantes (Gilberto Silva e Zé Roberto) não saíram muito e não tive de marcar como das outras vezes. Isso facilitou", contou Ronaldinho, um dos mais requisitados pela torcida antes e depois do jogo. No segundo tempo, lembra o craque do Barcelona, não conseguiu o mesmo desempenho. A explicação é simples: cansaço mental e físico. "Corremos muito no primeiro tempo, os japoneses também, eles marcaram forte, apertaram. Uma correria. Não paravam nunca. Depois, no segundo tempo, nosso time sentiu o desgaste. É natural." Tão natural que amanhã, garante Ronaldinho Gaúcho, não quer nem abrir o olho. "Não quero nem saber da folga que recebemos do professor. Quero apagar, dormir mesmo. Ninguém aqui (grupo de jogadores) tem força para sair da concentração. Temos de pensar em outras coisas, nada de futebol. Se a gente não se desligar, não vai ter condições de jogar bem no sábado." O melhor do mundo quer é sossego. Sabe, como ninguém, que a próxima parada na Copa das Confederações será um tormento. O Brasil, alerta, tem de vencer a Alemanha para provar que ainda é o melhor do mundo. Não é uma questão de colocar em dúvida as cinco estrelas, mas de comprovação na sede da próxima Copa do Mundo. "A Seleção Brasileira sempre é favorita. Vamos enfrentar os donos da casa, que tem tradição, que já fez história e quer ir mais longe possível. Não será nada fácil. Somos pentacampeões e todo mundo quer vencer o Brasil. A Alemanha mais ainda."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.