Bruno Magalhães/AP
Bruno Magalhães/AP

Ronaldinho diz que se sente um 'garoto' no Atlético-MG

Atacante se emocionou com a classificação histórica do Galo para a final da Libertadores

AE, Agência Estado

11 de julho de 2013 | 08h29

BELO HORIZONTE - Dono de uma trajetória profissional extremamente vitoriosa, com títulos de expressão e prêmios individuais, Ronaldinho Gaúcho parece ser um garoto em começo de carreira, tamanha a alegria e motivação que vem demonstrando com a camisa do Atlético-MG. Ele próprio admitiu isso após a histórica classificação do clube mineiro para a final da Libertadores, já na madrugada desta quinta-feira, com a vitória nos pênaltis sobre o Newell''s Old Boys, na Arena Independência, em Belo Horizonte.

"É uma alegria que não tem como explicar. Desde que cheguei aqui, a torcida me abraçou e o meu maior sonho é dar essa alegria ao torcedor e poder entrar para a história do clube. São os títulos inéditos que me motivam a continuar e agora estou aí de novo, me sentindo um garoto outra vez", disse Ronaldinho Gaúcho, emocionado com a conquista da inédita vaga na final da Libertadores, quando o Atlético-MG vai enfrentar o Olimpia, do Paraguai.

Com 33 anos, Ronaldinho Gaúcho teve uma passagem vitoriosa pelo futebol europeu, foi eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa, ganhou títulos por onde passou e foi destaque da seleção brasileira na campanha do pentacampeonato mundial em 2002. Fez tanto que parecia já estar satisfeito com sua carreira. Mas a chegada ao Atlético-MG no ano passado deu fôlego novo ao astro. Idolatrado pela torcida atleticana, recuperou a motivação que parecia perdida.

Na vitória por 2 a 0 de quarta-feira, Ronaldinho Gaúcho tentou comandar o time mineiro dentro de campo, como quando deu o passe perfeito para Bernard abrir o placar logo no começo - o segundo gol atleticano saiu já nos minutos finais, com Guilherme. Depois, foi do veterano astro o último pênalti convertido, antes do goleiro Victor defender a cobrança de Maxi Rodriguez, do Newell''s Old Boys, e garantir a classificação atleticana por 3 a 2.

"Podemos fazer a história ainda mais linda, conquistando esse título. Mas a chegada à final não é só dos jogadores, é também dos funcionários, o pessoal da cozinha, da faxina, roupeiros, o pessoal que está lá com a gente todos os dias. Isso faz com que a energia fique boa e a gente consiga os resultados. Mas precisamos nos preparar bem", avisou Ronaldinho Gaúcho, que, mesmo com tantas conquistas na carreira, tem agora a chance de ser campeão da Libertadores pela primeira vez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.