Ronaldinho é barrado no Milan após festa no Rio

Jogador ficará no banco de reservas na partida desta quinta contra o Zurich pela Copa da Uefa

Agencia Estado

17 de setembro de 2008 | 18h47

Os dirigentes do Milan mostraram que não vão aturar as "pisadas de bola" de Ronaldinho Gaúcho fora dos gramados. A participação em uma festa, no Rio, após o empate do Brasil com a Bolívia, dia 10 de setembro, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo, fez o jogador ser cobrado pela diretoria do clube e barrado da equipe titular para a estréia do time italiano na Copa da Uefa.Veja também: Depois de fiasco no Engenhão, jogadores caíram na festa Ronaldinho nega ter exagerado em festa no Rio Dê seu palpite no Bolão Vip do LimãoRonaldinho admitiu ter ido à festa no Rio, mas se defendeu ao afirmar que foi embora às 2 horas da manhã e às 2h30 estava dormindo em casa. Adriano Galliani, vice-presidente do Milan, não engoliu as explicações de Ronaldinho. Com isso, apesar de ter sido convocado pelo técnico Carlo Ancelotti para o jogo desta quinta-feira, contra o Zurich, quando o time italiano estréia na Copa da Uefa, o brasileiro vai para o banco de reservas.Na tentativa de evitar um início de crise, a comissão técnica do Milan justificou a ausência de Ronaldinho entre os titulares. Ele teria passado por exames físicos, que constataram índices baixos em sua resistência muscular, por causa dos 133 dias longe dos gramados no primeiro semestre, quando enfrentou seguidas contusões.Segundo a diretoria do clube, Ronaldinho será submetido a um trabalho individual e específico para aprimorar a forma. "Ele nem seria convocado para o jogo, mas, como estamos com o elenco reduzido, ficamos na expectativa de utilizá-lo em 45 minutos", disse Ancelotti, que não poderá contar com Senderos, Pirlo e Inzaghi, todos machucados.O técnico e os dirigentes do Milan afirmam que a intenção é deixar Ronaldinho em plena forma para o dérbi contra a Internazionale, dia 28 de setembro, pela quinta rodada do Campeonato Italiano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.