Ronaldinho Gaúcho, a grande decepção do Mundial

Ronaldinho Gaúcho fechou sua participação na Copa da Alemanha de forma melancólica. Jogou mal, não driblou, não deu nenhum chute na direção do gol, errou passes e, em nenhum momento, assumiu a responsabilidade. Decepcionou não só os brasileiros, mas todos na Alemanha. O melhor do mundo nas últimas duas temporadas teria de atuar melhor. Muito melhor. O confronto com a França foi um retrato de sua participação no Mundial: apático, burocrático, medíocre, com medo de decidir. Mesmo diante de seleções mais fracas, como Croácia, Austrália, Japão e Gana, o meia-atacante do Barcelona não foi capaz de pôr em prática seu talento. Esteve apagado do primeiro ao último jogo da competição. Jornalistas de todo o mundo tentavam buscar explicações para o fracasso do craque neste sábado, no Waldstadion, em Frankfurt. Aquela velha discussão do posicionamento não cola mais. Ele jogou na frente, jogou atrás, jogou na ponta esquerda. E, de nenhum jeito, rendeu. A camisa da seleção pesa? Esse foi outro tema de debate. Ronaldinho nunca brilhou na seleção. Nunca foi protagonista. Em 2002, na Coréia e no Japão, teve boa participação, como na vitória sobre a Inglaterra por 2 a 1, nas quartas-de-final. Mas esteve na Ásia como coadjuvante. Os principais jogadores eram Ronaldo e Rivaldo. Os rivais argentinos ironizam o atleta do Brasil. ?Ronaldinho? Brilhava com sua ausência. Mais uma vez?, escreveu o Olé, em seu site. Quem acompanhou a fase de preparação da seleção brasileira, em Weggis, na Suíça, e depois em Königstein, na Alemanha, ficou com a sensação de que o astro do Barcelona estava tímido demais, não arriscava grandes jogadas, não tentava dribles. Algumas pessoas próximas diziam que estava se poupando. ?Calma, na hora em que a Copa começar, vocês vão ver. Ele está se poupando.? Infelizmente para os brasileiros, ele se poupou durante a Copa toda. Seu nível caiu drasticamente no fim da temporada. Na última partida pelo Barça, em 17 de maio, na decisão da Copa dos Campeões da Europa, contra o Arsenal, em Paris, foi mal. O time espanhol venceu, mas não contou com seu brilho. Estranho para quem liderou a equipe do início ao fim do Campeonato Nacional e da própria competição européia. ?Poderíamos ter jogado mais?, admitiu Ronaldinho, bastante abatido. O meia-atacante vai, agora, passar férias com a família em Porto Alegre, para onde irá nos próximos dias. No fim do mês, terá de se apresentar ao Barcelona para iniciar nova temporada. Ronaldinho encerrou participação na Copa sem nenhum gol marcado e com apenas uma assistência (passe para gol). O único passe foi para Gilberto fazer o terceiro gol na vitória por 4 a 1 sobre o Japão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.